João Paulo Medeiros

Reunião entre tucanos e PSD termina com sinalização de que Romero não disputará Governo

Foto: Ascom

A conversa foi demorada. Um dos presentes relatou ao Blog que o tom foi de “espíritos desarmados”. A reunião entre o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD), a cúpula do PSDB e o prefeito Bruno Cunha Lima (PSD) – além de outras lideranças – terminou sem uma definição em Brasília.

O diálogo deverá ser retomado hoje.

Mas o fim da conversa deixou uma sinalização de algo que, aliás, já era visto há algum tempo. A disposição do ex-prefeito Romero de não mais disputar a eleição de 2022 como candidato ao Governo do Estado.

A falta de agenda de Romero nesse sentido, por exemplo, já vinha falando muito sobre o adiamento desse projeto.

O encontro de ontem, inclusive, discutiu a possibilidade de uma aliança entre Romero e o governador João Azevêdo (Cidadania). Houve também a discussão sobre a viabilidade de uma candidatura do deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) ao Governo.

“Teve essa avaliação da questão com João. Um é a favor, outro é contra”, relatou um dos participantes do encontro.

Veja também  Justiça bloqueia R$ 857 mil em bens de ex-presidente da Câmara de Cabedelo e da mãe dele

A tese de união com Azevêdo já havia sido antecipada ontem à tarde pelo irmão de Romero, deputado Moacir Rodrigues (PSL).

No início da noite, numa entrevista à TV Itararé, o próprio Romero discorreu sobre uma possível aliança com João Azevêdo e revelou que a tese tinha surgido do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab.

O destino político de Romero, para 2022, parece estar dividido entre uma candidatura a vice, na chapa de João Azevêdo, ou um retorno à Câmara Federal.