João Paulo Medeiros

Com quadro reduzido, cúpula do bolsonarismo tenta colocar paraibano na disputa em 2022

Paraibano foi alvo de inquérito das fake news

Foto: Arquivo Jornal da Paraíba
Foto: Arquivo Jornal da Paraíba

Por muito tempo a cúpula do bolsonarismo acreditou que o presidente Jair Bolsonaro formaria, facilmente, um palanque na Paraíba. A esperança se sustentava em torno do nome do ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD). Mas o afastamento dele e de outras lideranças do Estado dificultou os planos.

Na última vez em que esteve no Estado o presidente amargou o ‘abandono’ de deputados e senadores paraibanos, em São José de Piranhas.

Com o novo cenário, a cúpula começa a fazer novas apostas. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, passou a ser cotado. Agora, um novo nome também surge: o campinense Tércio Arnaud Tomaz.

De acordo com o colunista de O Globo, Lauro Jardim, Tércio é uma das três prioridades de Bolsonaro para 2022. A lista inclui ainda o sargento da Polícia Militar, Max Guilherme, do Rio de Janeiro; e o tenente Mozart Aragão, que sairá candidato por São Paulo.

Veja também  Polícia Federal combate desmatamento na Amazônia, e São Bento, na Paraíba, entra na rota da Operação Hardwood

O paraibano é cotado para disputar uma vaga na Câmara Federal.

Tércio é um dos assessores mais próximo do presidente, desde 2018. E é alvo de um inquérito do Supremo Tribunal Federal que apura a disseminação de fake news. Ele seria integrante do que ficou conhecido como “gabinete do ódio”.

Com poucas opções no ‘time raiz’ do bolsonarismo, o nome dele passou a ser considerado como uma alternativa pelo presidente. Saber se terá viabilidade eleitoral é uma outra questão.

Na falta de outros nomes, Tércio passou a ser opção.