João Paulo Medeiros

Racha na PMCG: prefeito diz que confiança foi perdida e deve exonerar aliados dos Ribeiros

Bruno Cunha Lima saiu em defesa do ex-prefeito Romero Rodrigues

Bruno Cunha Lima (Foto: Marques de Souza)
Bruno Cunha Lima (Foto: Marques de Souza)

Os desdobramentos da intervenção no PSD, que culminou com a retirada do comando partidário do ex-prefeito Romero Rodrigues (PSC), devem ter reflexos no Semanário Oficial de Campina Grande. Hoje pela manhã, ao participar da filiação de Rodrigues no PSC, o prefeito Bruno Cunha Lima (PSD) saiu em defesa do ex-gestor.

“Precisamos reconhecer que houve um ato de hostilidade, sobretudo a Romero”, disse.

Mais à frente, Bruno foi questionado sobre a permanência de auxiliares ligados à família Ribeiro na gestão municipal.

Ele considerou que a confiança na relação foi quebrada e adiantou que deve fazer modificações na gestão.

“O princípio da confiança foi quebrado. Em qualquer gestão precisa haver uma relação de confiança. Vamos ter que rediscutir essas posições. Não vou metrificar o diário oficial com base nisso, mas para compor qualquer Governo precisa haver relação de confiança”, afirmou o prefeito.

Perguntando pelo Blog sobre quando as exonerações irão ser iniciadas, ele adiantou: “Não tenho prazo. Tenho prazo para o remanejamento daqueles que pretendem ser candidatos. No dia de hoje vamos desincompatibilizar aqueles que pediram afastamento, com a desincompatibilização vamos precisar fazer um rearranjo. Talvez possamos aproveitar o momento”.

Veja também  Disputa por espaços afasta Efraim e Pedro Cunha Lima de agenda de Bolsonaro na Paraíba

Na gestão municipal há pelo menos duas secretarias – Obras e Desenvolvimento Econômico – ocupadas por pessoas próximas ao grupo Ribeiro.