João Paulo Medeiros

Conselheiros renunciam a cargos na FIEP quando já há discussões sobre antecipação das eleições na entidade

Divulgação/Fiep

Pelo menos quatro membros do Conselho Fiscal da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep) – responsáveis pela destinação de orçamento – teriam renunciado aos cargos nos últimos 12 meses. A informação chegou ao blog na manhã desta quarta-feira (20), junto com a indicação da antecipação das eleições para a presidência da entidade, que só deveriam acontecer no ano de 2023, e desagradou parte dos conselheiros.

Diante desse contexto, é importante lembrar que o atual presidente da Fiep, Francisco Buega Gadelha, está no comando do órgão desde o ano de 1995. Se fosse reeleito em um pleito antecipado, ele seguiria para o sexto mandato.

De fato, contudo, há um clima de insatisfação entre membros do Conselho Fiscal do Sesi, Senai e Fiep, que reclamam da falta de transparência na renovação de lideranças para o sistema.

Ao Pleno Poder, a Fiep reforçou que completa 73 anos trabalhando com a representatividade da classe empresarial e dependendo os interesses da indústria paraibana. Veja a íntegra da nota mais abaixo.

Entenda como funcionam as eleições na Fiep

As eleições da Fiep devem ser realizadas a cada quatro anos. Quem tem direito a voto são os presidentes dos sindicatos patronais filiados à entidade.

A quantidade de votos para garantir uma eleição varia de acordo com cada pleito, que possui um estatuto próprio.

As eleições podem contar, ainda, como mais de uma chapa ou ter apenas uma chapa única.

Íntegra da nota da Fiep

Este ano, a Federação das Indústrias do Estado da Paraíba – FIEP completa 73 anos de sua criação.

Constituída em 1949, ao longo dessas sete décadas, tornou-se uma entidade robusta e representativa na defesa de interesses da classe empresarial.

As diretorias eleitas e que conduziram os rumos da instituição até os atuais, sempre foram compostas por empresários paraibanos, ávidos por contribuir com o setor industrial e que, sem dúvidas, deixaram seus legados registrados implícita ou explicitamente para a história da instituição.

A FIEP é uma entidade que tem em sua marca, credibilidade e respeito junto à sociedade paraibana.

“Durante o período em que nós, empresários comprometidos, estivemos à frente da diretoria, sempre primamos pelo diálogo democrático e transparente com a classe empresarial, além de atuar na defesa de interesses da indústria no âmbito municipal, estadual e federal, construindo relações estratégicas e de respeito, em prol do desenvolvimento do setor industrial e da nossa economia”, disse Francisco de Assis Benevides Gadelha, presidente da FIEP.

“É primordial esclarecer à sociedade que os nossos processos eleitorais até hoje foram respaldados pelo estatuto da instituição e realizados de forma lícita e consensual com aqueles que têm direito de voto na eleição da diretoria. Muito além do processo natural e necessário para a instituição, reunimos nos mandatos já assumidos, testemunhos e ações relevantes que têm elevado a competitividade industrial do nosso estado e, principalmente, aberto caminhos promissores para as empresas atendidas e fortalecidas pelas consultorias e serviços oferecidos pelo SESI, SENAI e IEL, cujas entidades são mantidas pelo industrial paraibano”, explicou Francisco Gadelha.

Nos últimos anos, a federação teve papel preponderante no avanço de pleitos em prol das indústrias.

Veja também  No comando da Fiep desde 1995, Buega decide antecipar eleição interna para novo mandato

“Quando a FIEP comemorou 70 anos, em 2019, recebemos reconhecimentos importantes advindos da Câmara Municipal de Campina Grande, Assembleia Legislativa do Estado, Câmara Municipal de João Pessoa e do município de Sousa. As contribuições da FIEP, não apenas a Campina Grande que abriga a sede da federação, passam também pelo desenvolvimento de outras cidades e regiões do estado, impulsionando a instalação de empresas e novos empreendimentos, que geram emprego e dão uma nova perspectiva de vida à nossa população”, completou o presidente da FIEP.

Na linha histórica da entidade, a FIEP abraçou lutas emblemáticas, defendo os interesses da indústria no estado e nacionalmente.

“Não é redundante falar que a nossa entidade tem assumido um papel essencial na defesa de interesses da indústria. Muitas foram as campanhas encampadas visando o progresso econômico e social do povo paraibano, que nasceram através de movimentos liderados pela Federação das Indústrias da Paraíba. A campanha ´Porto de Cabedelo: Vamos gritar por um Calado´, defendendo a ampliação da dragagem e do calado do Porto, o que resultou na construção de Terminais Múltiplos no Porto de Cabedelo, e geração de cerca de 300 empregos diretos e mais 300 indiretos”, relembra Gadelha.

“A Transposição de Àguas do Rio São Francisco foi outra bandeira levantada pela FIEP. A obra ainda em andamento deve levar água a cerca de 12 milhões de pessoas que vivem no Sertão de quatro estados – Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O eixo Leste inaugurado em março de 2017 beneficia 4,5 milhões de pessoas em 168 municípios da Paraíba e Pernambuco”, disse o presidente da FIEP.

A Federação das Indústrias, ´Palco do Desenvolvimento´, tem incentivado ainda o processo de modernização e expansão do segmento industrial.

“Temos um trabalho que muito nos orgulha nos últimos anos, realizado pela atual diretoria. Trabalhamos na construção da Sudene que nasceu aqui na FIEP, durante encontro da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e também o Banco do Nordeste; nós lutamos pelo gasoduto em Campina Grande e no Eixo Norte do Litoral, cujo pleito teve um apelo muito forte da FIEP. Eu, particularmente, participei de várias reuniões para que ele se tornasse realidade, e conseguimos trazer o gasoduto”, conta Francisco Gadelha.

A atuação da FIEP perpassa de maneira significativa pelas ações desenvolvidas pelo SESI e SENAI.

“A nova Escola SESI representa um dos investimentos mais importantes na área de Educação, porque lutamos, sobretudo, pela formação educacional e profissional do futuro trabalhador da indústria” explica.

“Temos ainda um compromisso presente de disseminar a cultura da inovação nas empresas. Isso, motivou a implantação do Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil e Confecção em João Pessoa, cujo status é também motivo de orgulho para nós, uma vez que a estrutura é considerada a maior escola têxtil da América Latina”, disse.

“Com recursos próprios, através do SESI, conseguimos presentear Campina Grande e a Paraíba com a implantação do SESI Museu Digital, um empreendimento tecnológico moderno e inovador, que impulsionou Campina à conquista do Selo Cidade Criativa da Unesco”, explica Gadelha.

O compromisso com a indústria, o progresso econômico e o desenvolvimento da Paraíba são marcas inseridas no cotidiano da FIEP, desde a sua fundação até os dias atuais.