João Paulo Medeiros

Com bagunça na base, governador promete ‘enquadrar’ aliados em uma mesma chapa

Azevêdo pretende chegar em junho com indefinição do Senado solucionada

Foto: divulgação
Foto: divulgação

O governador João Azevêdo (PSB) deu sinais que pretende colocar ‘ordem’ na ‘casa’ e unificar a base em torno de uma mesma chapa majoritária. Digo ‘colocar ordem’ porque o que se tem visto, entre os aliados, é uma completa bagunça na antecipação dos apoios a candidaturas ao Senado.

Um dos partidos, o Republicanos, há tempos anunciou que irá com Efraim Filho (União) para a disputa. Alguns membros do PSB também sinalizaram da mesma forma.

Ontem, durante um encontro em Campina Grande, os deputados Anísio Maia (PSB) e Frei Anastácio (PT) também se anteciparam. Eles defendem o nome do ex-reitor Rangel Júnior.

Enquanto isso, o nome de Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) é o preferido do governador.

Hoje ele fez o que se espera de qualquer candidato à reeleição, que precisa conduzir o processo. Disse que todos deverão se encaixar de forma unida sob as mesmas bandeiras.

Veja também  Motociata de Bolsonaro vai percorrer 17 quilômetros em Campina Grande; veja principais ruas

“Se alguém está na chapa, será pedido que essas pessoas apoiem os candidatos dessa chapa”, assinalou, completando que espera chegar em junho com a equação fechada.

A pergunta que é feita nos bastidores é: os aliados que anunciaram apoio a outros nomes, irão digerir com facilidade o nome de Aguinaldo?

João ainda acredita em unidade. Tardiamente, é verdade, começou a puxar as rédeas nesse sentido. A equação não é simples de ser resolvida.