Juliette no Lady Night: “não quero que as pessoas me idolatrem nem me desumanizem”

Programa do Multishow foi ao ar na noite desta segunda-feira (29).

Foto: Multishow/Divulgação

A exibição de Juliette no Lady Night aconteceu na noite desta segunda-feira (29), no Multishow. Entre brincadeiras e piadas, Tatá Werneck aproveitou para fazer perguntas à paraibana sobre a vida após ter vencido o Big Brother Brasil. Um dos assuntos abordados pela apresentadora foi o sucesso repentino de Juliette, que foi de maquiadora em João Pessoa para um dos rostos mais procurados pela publicidade no Brasil.

Ao ser questionada sobre dinheiro, Juliette respondeu que já ganhou o suficiente ao ponto de ser preciso “se esforçar” para ficar pobre. A paraibana confessou que não esperava tamanha projeção: “o máximo que eu cogitei era ser subcelebridade, que ia fazer umas presenças VIPS e tals, adeus”. Apesar disso, Juliette acredita que não irá se deslumbrar com a fama e dinheiro porque o sucesso veio aos 31 anos, quando ela já havia alcançado certa maturidade.

“Fiquei famosa depois de 31 anos. Acho muito difícil eu me deslumbrar com fama e com dinheiro”, relatou.

Juliette Freire externou que não deseja ser idolatrada, pois todo exagero não é saudável e pode se tornar negativo, caso cometa um erro. “Acho que todo exagero não é saudável. Quero sim ser abraçada, ser amada, mas como humana. Não quero que as pessoas me idolatrem nem me desumanizem, porque uma hora eu vou errar e eu posso ser também vítima do exagero negativo”.

Pedidos de desculpas

 

Veja também  Vídeo de ‘Un Ratito’, com Juliette, é retirado do YouTube após briga por direitos autorais

Tatá Werneck aproveitou para perguntar sobre o comportamento de alguns participantes do BBB 21 com Juliette e se a vencedora do reality já tinha recebido algum pedido de desculpas. Ela respondeu que quatro participantes haviam se desculpado, dentre eles, Sarah, Vih Tube e Gil.

Sobre o cancelamento que outros participantes vivenciaram, Juliette se opôs e disse que “a gente não tem o direito de oprimir, e humilhar, de agredir ninguém”. Ela ainda ressaltou que há diferenças entre discordar de uma atitude e agredir alguém.