Especialista explica importância de congelar sêmen em casos de câncer de próstata

Rastreio dos casos é importante para rápido diagnóstico e solução eficaz

O câncer de próstata é o câncer mais comum entre a população masculina. É comprovado que um a cada sete homens irá desenvolver essa alteração. Quanto mais cedo o diagnóstico, através do toque retal e da dosagem do PSA no sangue, maiores são as chances de cura, que ultrapassam os 95%. O especialista Dr. Jorge Mendes, urologista da Rede Geare, explica que o rastreio deve ser iniciado aos 50 anos de idade. 

 

“Para aqueles homens que têm histórico de câncer de próstata na família, o rastreio deve ser antecipado para os 45 anos”, recomenda. “A campanha do Novembro Azul, além de chamar atenção para o câncer de próstata, também é o momento de chamar atenção para a saúde do homem. É o momento de fazer o seu check-up e rastrear outras doenças”, completa Dr. Jorge Mendes.

 

O câncer de próstata pode levar o homem à infertilidade, que acomete 15% a 20% dos casais — o homem tem participação nesses fatores em até 50% dos casos. Em algumas situações, as causas são reversíveis, como no caso de varicocele, ou quando a infertilidade está ligada ao uso de alguns medicamentos, cujo uso pode ser suspenso, conforme explica o especialista.

 

Veja também  Paraíba realiza terceiro Dia D de vacinação contra a Covid-19, neste sábado (11)

A relação entre câncer e infertilidade está nos tratamentos oncológicos, que afetam a função da glândula masculina, responsável por produzir compostos importantes do líquido seminal que nutre os espermatozoides. “Nos casos mais graves, precisamos captar espermatozóides com cirurgia e realizar a reprodução assistida”, explica Dr. Jorge Mendes. 

 

O congelamento de sêmen é a principal opção para permitir que no futuro os homens que se submeterem aos tratamentos de câncer tenham a possibilidade da paternidade biológica. O congelamento é feito, preferencialmente, antes do paciente se submeter ao tratamento – amostras de sêmen podem ser congeladas como uma espécie de seguro, garantindo, no futuro, a obtenção de espermatozóides viáveis, que não foram expostos aos agentes agressores.