TRE da Paraíba investe em plataforma única para modernizar sistema de informática

Objetivo é otimizar a demanda, que costuma crescer em anos eleitorais. Novo sistema diminui riscos de sistema ficar fora do ar.

TRE-PB. Foto: Francisco França

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba é um dos cinco do país que investiram numa nova plataforma para, a partir daí, reforçar a sua área de informática com vistas as eleições de 2022. Não só no que diz respeito a todo o serviço de envio de dados que é necessário no dia do pleito, mas também para facilitar o atendimento ao eleitor em prazos chaves do processo. Um desses marcos, a propósito, é o dia 4 de maio, quando acaba o prazo de transferência e cadastro de títulos de eleitores.

Trata-se de uma plataforma de hiperconvergência chamada Nutanix, empresa que atua na área de software para nuvem e que é pioneira em soluções de infraestrutura hiperconvergentes. O objetivo é reunir todos os serviços do Tribunal numa plataforma única de gerenciamento, aumentando a eficiência, a velocidade e a segurança dos sistemas.

Além da Paraíba os tribunais regionais de Tocantins, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte também usam a plataforma.

Com 68 zonas eleitorais e mais de três milhões de eleitores registrados, segundo dados de março de 2022, o TRE da Paraíba informa que, antes, dividia suas atividades informacionais em três sistemas distintos, mas desde 2019 os dados estão centralizados numa única plataforma hiperconvergente. O índice de atendimento ao cidadão passa dos 99%, evitando que os eleitores tenham problemas com sistemas fora do ar. Assim, o Tribunal destaca que consegue dar conta do aumento de demanda registrado em ano eleitoral.

Veja também  João Pessoa está entre as primeiras capitais que vão receber sinal 5G

Todos os serviços de autenticação de diretórios, acesso à internet nas zonas eleitorais, máquinas virtuais e sistemas administrativos internos TRE funcionam na plataforma, que foi utilizada ainda para rodar os sistemas de autenticação do servidor remoto. Isso permitiu a continuidade do trabalho em home office durante a pandemia.

“Fomos um dos primeiros tribunais regionais a fazer essa mudança. Fizemos uma mudança muito assertiva, bem planejada e com muita consciência. Saímos da arquitetura de três camadas para a hiperconvergência sabendo que estávamos dando um passo bem dado”, explicou Pedro Lima Neto, chefe da Seção de Infraestrutura de Redes do TRE da Paraíba.

Hiperconvergência reforça segurança

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba contava com sistemas fornecidos por múltiplos fabricantes, cada qual com uma sintaxe e com uma interface própria. Essa situação criava um cenário complexo, de difícil gestão, sujeito a falhas e a altos custos de manutenção.

Com a adoção da hiperconvergência, o TRE paraibano possui hoje dois conjuntos de Tecnologia da Informação (TI) em localidades distintas, que se replicam de forma online e síncrona.

De acordo com Pedro Lima Neto, a plataforma trouxe a tranquilidade de balancear a carga de trabalho, porque essa é uma vantagem do modelo hiperconvergente.

A hiperconvergência agrega todos os recursos computacionais e transforma tudo em uma única estrutura, que permite uma resiliência a falhas muito maior e atua sempre com a performance máxima, aliado a uma maior economia de energia e uma maior otimização de espaço.