Pense no Brasil, reze pelo Brasil foi a frase que me ocorreu nos 50 anos do Concerto Para Bangladesh

Neste domingo (01), fez 50 anos do Concerto Para Bangladesh.

Lembro do fato, naquele primeiro de agosto de 1971.

Comprei a caixa com os três discos de vinil em 1972.

Vi o filme no cinema, na telona, em 1973.

Tenho um orgulho danado de ter sido contemporâneo daquele evento pioneiro.

Foi o primeiro grande show realizado por artistas do pop/rock para arrecadar fundos e, através do Unicef, destiná-los às pessoas que passam fome.

No caso específico, a população de Bangladesh. Foi um pedido que o músico indiano Ravi Shankar fez a um grande amigo, o beatle George Harrison.

Harrison arregimentou um grupo de amigos músicos, e os dois shows foram realizados no Madison Square Garden, em Nova York.

Veja também  Com Bolsonaro, o Brasil vive a tragédia de ter um presidente da República mentiroso

Tenho em DVD uma boa cópia restaurada do filme The Concert For Bangladesh e gosto de mostrá-la a quem nunca viu.

Ontem, nos 50 anos do Concerto Para Bangladesh, pensei no Brasil e na nossa escandalosa desigualdade social – uma ferida que nos envergonha profundamente.

No momento, não precisa ir muito longe para verificar que as pessoas estão passando fome. Basta parar num sinal de trânsito.

Sabem o “pensem no Haiti/rezem pelo Haiti”, da canção de Caetano Veloso e Gilberto Gil?

Pois bem. Podemos trazer o verso para a nossa realidade.

Ficaria assim:

Pense no Brasil. Reze pelo Brasil.