Fabi Cavalcanti
Miguel Cavalcanti

6 raças de cachorros comuns no Brasil

Beethoven (sem raça definida) – o irmão de Hari, que mora no Rio de Janeiro.

 

O Brasil tem a segunda maior população pet do mundo e a maioria das famílias brasileiras tem preferência por cães como animais de companhia.
Os vira-latinhas ou sem raça definida, são os favoritos. Com seus portes e colorações diversas, eles conquistaram o seu lugar e continuam firmes na preferência nacional.
Além dos vira-latas, os cães de raça também tem seu espaço. Algumas raças já estiveram no topo do favoritismo e quase não vemos hoje em dia e outras estão em ascensão.
Atualmente, algumas raças vêm se destacando no cenário, vamos falar um pouquinho sobre elas.

Shihtzu – representado por Fidel Chewbacca, aluno Dog Moke

De origem chinesa, esse cãozinho já foi considerado sagrado no século 17. O shihtzu pode ser um pouco teimoso, o que indica que precisará de um pouco mais de paciência e dedicação no seu treinamento. Tem como característica ser um cão mais calmo, muito procurado para viver em apartamento e tende a ser bastante apegado aos tutores, sendo importante socializá-lo desde cedo com outros animais. Famoso por sua pelagem longa, precisa de uma manutenção constante nos pelos para evitar nós.

 

 

Chihuahua – representado por Thorzinho, aluno Dog Moke

O que tem de tamanho, tem de valentia. Engana-se quem pensa que esse pequenino é um cãozinho calminho. Com um nível alto de energia, o chihuahua precisa de exercícios físicos com frequência e de limites bem definidos. Deve ser bem socializado desde filhote para uma melhor convivência com estranhos e outros animais. Não é um cãozinho ideal para crianças e tende a latir bastante. Fiel, inteligente e corajoso, pode se tornar possessivo e destruidor se não tiver suas necessidades atendidas.

 

 

Bulldog Francês – representado por Romeo, aluno Dog Moke

Esse cãozinho robusto cativa por sua simpatia e alegria. Cães bastante enérgicos, são muito fiéis à família e adoram um cafuné, porém, necessitam de uma socialização cuidadosa quando novos; os frenchies, como também são conhecidos, podem apresentar alguns problemas na hora de conviver com outros cães. Um ponto de observação importante é que buldogues, assim como os demais cães braquicefálicos, podem apresentar dificuldades respiratórias e são sensíveis a altas temperaturas.

Veja também  Tutor animado, cão desportista!

 

 

 

Yorkshire – Melzinha, gerente Dog Moke e nossa filha mais velha

 

 

Excelente cão de companhia, esse cãozinho originário da Inglaterra é bem popular no mundo todo. Por ser de porte pequeno, é bem procurado por famílias que moram em apartamento. Com forte tendência a latir, os yorks precisam de um pouco de dedicação em seu treinamento para que os latidos não se tornem excessivos. São corajosos, ativos, brincalhões, determinados e também gostam de muito carinho, colo e chamego, sendo um ótimo cãozinho para te acompanhar em aventuras e curtir um netflix no sofá.

 

Golden Retriever – representado por Sol, aluna Dog Moke

Dos cães de maior porte é um dos preferidos das famílias, especialmente das que têm crianças. Os goldens são conhecidos por sua docilidade e companheirismo. Inteligentes, são cães que gostam de aprender e topam qualquer parada com seus tutores. Porém, a popularidade da raça trouxe também alguns aspectos negativos – doenças articulares, cardiopatias e problemas de comportamento se tornaram mais comuns entre eles.

 

 

 

Spitz alemão– representado por Koda, aluno Dog Moke


Por serem cães pequenos muitos tutores o consideram ideal para apartamento, entretanto, o spitz tem alto nível de energia e pode dar muito trabalho caso não se exercite suficientemente. Inteligente, brincalhão, se dá bem com crianças e bastante afetuoso com a família, precisa de uma boa socialização pois pode ser muito reservado com estranhos. Sua pelagem exige um certo cuidado e escovações frequentes.

 

 

 

Se for adotar ou comprar um cãozinho lembre-se que é uma vidinha que estará com você nos próximos anos  e precisará de uma boa alimentação, atividades físicas, cuidados médicos e muito amor. Seja um tutor responsável, pesquise antes de levar um filhote e casa e quando o fizer, seja consciente de suas necessidades.