Boas Festas, clássico da canção natalina brasileira, é tão triste quanto o Natal

Na infância e na juventude, o Natal é uma festa alegre, e a gente estranha porque os adultos e as pessoas mais velhas dizem que não. Só o tempo ensina que é uma celebração triste por ser nostálgica, por trazer lembranças das perdas que experimentamos ao longo da vida. Eu sei, eu sei, que tem essa história do nascimento do menino Jesus e de toda a sua simbologia, que é muito forte. Mas não é suficiente para apagar a tristeza de uma noite de Natal.

Veja também  A 90 dias da eleição presidencial, você prefere clubes de tiro ou bibliotecas?

É curioso, e não haverá de ser coincidência, que a música Boas Festas, clássico da canção natalina brasileira, está impregnada de melancolia. Ela foi composta na primeira metade dos anos 1930 e já atravessou quase 90 anos intacta em sua beleza. Seu autor é Assis Valente.

Fiquemos com duas versões de Boas Festas, com João Gilberto e com Caetano Veloso.