Cotação do dólar volta a subir e fecha em R$ 4,10

Dólar encerrou a segunda-feira vendido a R$ 4,1095, em alta de 3,37%, na maior alta desde 21 de setembro de 2011.

O dólar comercial, utilizado em transações de comércio exterior, voltou a fechar ontem acima de R$ 4, após ter encerrado a última semana cotado a R$ 3,9757, em meio a um quadro de aversão a risco nas praças internacionais, além de preocupações com a possibilidade de novos rebaixamentos da classificação de risco do Brasil.

O dólar encerrou a segunda-feira vendido a R$ 4,1095, em alta de 3,37%, na maior alta desde 21 de setembro de 2011 (+3,75%). Já o dólar turismo fechou a R$ 4,17, enquanto o dólar paralelo atingiu R$ 4,26.

RAZÕES DA ALTA
O movimento, segundo analistas, refletiu comentários da agência de risco Fitch Ratings sobre a nota de crédito do Brasil. A moeda já vinha subindo desde a abertura, na esteira de preocupações com a crise global geradas por sinais de desaquecimento da China e pela perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos ainda neste ano. Assim, entre as 24 principais moedas emergentes, 17 se desvalorizaram em relação ao dólar -o real foi a segunda divisa que mais perdeu, atrás apenas do rand sul-africano.

O diretor-executivo da Fitch, Rafael Guedes, sinalizou que o Brasil deve ter sua nota de crédito cortada em breve, mas ressaltou que historicamente as decisões de rebaixamento tomadas pela agência são de apenas um degrau. Com isso, o país manteria o selo de bom pagador, uma vez que sua nota atual na Fitch é "BBB" -dois níveis acima do grau especulativo. (com Agência Folhapress)
 

Veja também  Gasolina oscila entre R$ 6,379 e R$ 6,669 e preço do diesel e do GNV aumentam; em João Pessoa