Décimo terceiro: quitar dívidas ou investir?

Segundo consultor, trabalhador deve evitar o impulso de gastar tudo em consumo.

Quitar as dívidas ou investir: essas são as dicas para quem quer aproveitar o 13º salário da melhor forma. A primeira parcela do dinheiro deve ser paga a quem trabalhou por pelo menos 15 dias com carteira assinada em 2017 até esta quinta-feira (30).

De acordo com o consultor financeiro Guilherme Baía, o trabalhador deve evitar gastar todo o 13º em consumo. Para quem está endividado, a dica é aproveitar os mutirões de conciliação que ocorrem no final do ano e tirar o nome do vermelho.

>>> Três mutirões renegociam dívidas de paraibanos esta semana na Paraíba <<<
>>> Primeira parcela do 13º deve ser paga até quinta-feira (30) <<<

“É a chance de aproveitar os descontos, a redução dos juros e a isenção das multas, que são condições praticadas nestes mutirões”, explica. “Também é o momento de pagar até aquele parente que emprestou dinheiro e evitar insatisfações. Ao quitar ou diminuir as dívidas, você traz alívio para o seu caixa e antecipa o momento em que vai estar livre para melhor usar o seu dinheiro”, avalia.

Já para quem chegou ao final do ano com todas as contas em dia, o ideal é reservar uma parcela do 13º para investir. “Antes de pensar no valor, o que deve ser levado em conta é a regularidade da aplicação. Você encontra opções de investimentos a partir de 50 reais, e a poupança recebe qualquer valor”, diz Baía.

O consultor alerta, entretanto, que o dinheiro investido deve ser pensado como uma reserva a longo prazo. “Não adianta eu investir hoje e querer retirar o dinheiro daqui a dois, três meses esperando grandes rendimentos. É uma quantia para formação de reservas”, avisa.

Investir o décimo terceiro no Tesouro Direto

Segundo Baía, o Tesouro Direto Selic é um dos investimentos mais seguros e atrativos atualmente. “Ele traz mais rendimentos do que a poupança e recebe aplicações a partir de R$ 80, em geral”, diz.

O Tesouro Direto Selic está sempre vinculado à taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) e, por isso, traz resultados superiores à poupança. “Embora o Tesouro Direto cobre uma taxa para a aplicação – de, no máximo, 0,5% sobre o valor investido – e sobre ele incida a cobrança do Imposto de Renda, ainda é mais atrativo que a poupança, que provê rendimentos de apenas 70% da taxa Selic”, diz Guilherme Baía.

O Tesouro Direto ainda possui rentabilidade diária e o investidor pode acompanhar as movimentações através de internet banking.

Cuidados com o décimo terceiro

Baía alerta para os perigos que investimentos que prometem alta rentabilidade em um curto espaço de tempo apresentam. “Investir em criptomoedas como o Bitcoin, por exemplo, tornou-se uma opção que muitas pessoas consideram. Entretanto, é um investimento extremamente volátil, e uma pessoa que investe oito mil dólares nesse ramo pode acabar sem nada. Não é recomendado para o cidadão comum”, conclui.