Camila Esposte
Láuriston Pinheiro

Ramo de Serviços em TI cresce três vezes mais que o Setor de Serviços

Levantamento apresenta panorama das receitas das empresas de serviços em tecnologia da informação no Brasil.

Estudo mostra também que as pequenas empresas são maioria no ramo de serviços em TI e registram aumento da receita em proporção superior ao das grandes. Foto: divulgação

A mais recente edição do “Insight Reports – Panorama do Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação”, que se dedicou a analisar o comportamento das receitas das empresas no Brasil, confirma a expansão da atividade no país, a partir da última década.

De acordo com o estudo, o ramo de serviços em TI (tecnologia da informação) acumula crescimento nas receitas acima da média do setor de serviços de um modo geral.

O estudo – elaborado pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação no Paraná (Assespro-PR) em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR) – mostra também que as pequenas empresas são maioria no ramo de serviços em TI e registram aumento da receita em proporção superior ao das grandes. Estas, contudo, seguem respondendo pela maior parte do faturamento e dos empregos do ramo.

Consolidado em setembro último, o levantamento traz dados referentes ao período de 2012 a 2019. Neste intervalo de oito anos, o setor de serviços no Brasil registrou crescimento da receita bruta da ordem de 10% ao ano.

Dentro do setor de serviços, a receita bruta do ramo de serviços em TI subiu mais que o triplo (31% ao ano), alcançando cerca de R$ 202 bilhões, ao final do exercício de 2019.

“Houve uma desaceleração do crescimento da receita bruta do ramo de serviços em TI, nos anos de 2015 e 2016. Mas a recuperação foi rápida, já a partir de 2017, tanto que em 2019 o crescimento foi de 66% em relação a 2018, muito mais acelerado que a média de todo o setor de serviços (de 14% em 2019)”, sublinha o professor Victor Manoel Pelaez Alvarez, da UFPR, um dos coordenadores do estudo.

Do total de R$ 202 bilhões de receita bruta das empresas do ramo de serviços em TI em 2019, quase 84% vieram das grandes empresas e, os outros 16%, das empresas pequenas, acrescenta o professor.

No entanto, de 2018 para 2019, as receitas das empresas menores aumentaram mais, proporcionalmente, que as das maiores: 16%, ante 10%, conforme enfatiza a análise.

 

Emprego

Ainda segundo o levantamento, do total de 71 mil empresas do ramo de serviços em TI no Brasil, contabilizadas em 2019, quase 95% eram de pequeno porte – um aumento de cerca de 10% em relação ao ano anterior.

Contudo, as grandes (5% do total de empresas do ramo) respondiam por 72% dos postos de trabalho. Mesmo assim, de 2018 para 2019, as pequenas cresceram mais, proporcionalmente, neste item: 10%, enquanto o conjunto de pessoas ocupadas nas grandes subiu 8%.

 

Segmentos

O estudo mostra, ainda, que o segmento de “desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis e não customizáveis” corresponde à maior fonte de receitas dentro do ramo de serviços de TI: 30% do montante de R$ 201,7 bilhões consolidados em 2019.

Os outros 70% têm distribuição bastante heterogênea, entre Consultoria em TI (17%), Portais e serviços de informação na internet (17%), tratamento de dados, Provedores e hospedagem em internet (12%), Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda (12%) e Suporte técnico e manutenção (12%).

 

O estudo

A edição do “Insight Reports” da Assespro-PR e da UFPR foi feita com base na mais recente edição da Pesquisa Anual de Serviços (PAS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativa ao ano fiscal de 2019.

A pesquisa do IBGE é publicada com uma diferença de dois anos, em relação à finalização da coleta dos dados.

Na avaliação do diretor-presidente da Assespro-PR, Lucas Ribeiro, o recorte feito pela entidade em conjunto com a UFPR é importante para a área de inovação identificar e compreender suas especificidades.

A análise conjuntural tem sido realizada mensalmente, pela Assespro-PR e pela UFPR, desde 2018. “Essa interação – setor produtivo, universidade, instituições do governo, organizações da sociedade – é imprescindível para todas as partes envolvidas na área de inovação”, assinala Ribeiro.

O boletim completo pode ser acessado em: https://www.assespropr.org.br/wp-content/uploads/2021/10/Panorama-Setembro.pdf