Justiça libera Eduardo Paredes

Psicólogo estava preso desde janeiro e ganhou a liberdade através de um alvará, concedido pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho.

O psicólogo Eduardo Paredes, acusado de ser o responsável pela morte de duas mulheres em acidentes distintos em João Pessoa, foi solto na tarde de ontem, em virtude de um alvará expedido pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho. As informações foram dadas pelo advogado do psicólogo, Abraão Beltrão.

Segundo ele, Eduardo estava preso desde janeiro deste ano pelo processo que investiga a morte da comerciante Maria José dos Santos, de 56 anos, atropelada em junho de 2010 em Mangabeira. Eduardo também é acusado de matar a defensora pública geral da Paraíba, Fátima Lopes, em um acidente também em 2010.

Ainda conforme Abraão Beltrão, no pedido de soltura ele alegou que a prisão do cliente era ilegal. “O desembargador entendeu que havia excesso de prazo na prisão e determinou a liberdade de Eduardo”, comentou Abraão, informando que o psicólogo estava preso na carceragem do 5° Batalhão de Polícia Militar (BPM), no bairro do Valentina, na capital.

Veja também  Dia de Combate a Homofobia tem mesa de debate sobre o tema em Campina Grande

A notícia da soltura do psicólogo deixou a família da comerciante perplexa. “Não tem lógica uma pessoa dessa ser solta. Existem todas as provas contra ele, o inquérito policial o indiciou e como a Justiça encontra uma brecha para soltar um homem desse? Nem posso falar tudo que eu sinto nesse momento, eu não acredito mais na Justiça depois dessa decepção”, desabafou o filho da comerciante, José dos Santos Mendes.