Polícia prende filha e mais três suspeitos de matar agricultor

Rosângela Aguiar é apontada como mandante e executora do crime que vitimou o pai dela, Geraldo Aguiar. Motivo seria dinheiro.

A Polícia Civil conseguiu prender, na manhã desta quinta-feira (16) na cidade de Arara,  quatro pessoas suspeitas de participação no assassinato do agricultor Geraldo Rivaldo de Aguiar, 45 anos, morto a tiros e golpes de faca na tarde desta quarta-feira (15), na cidade de Casserengue, no Curimataú paraibano. Entre os presos está a própria filha da vítima, Rosangela Santos Aguiar, 23 anos, que é apontada como a mandante e também uma das autoras do crime. Os suspeitos estão recolhidos na delegacia de Arara, mas deverão ser encaminhados para a cidade de Solânea, ainda hoje (16), onde passarão por oitivas. 

Além de Rosangela, foram presos outros dois homens e uma mulher que teriam participado da ação. A Polícia Civil confirmou que também conseguiu apreender armas e vai investigar se estas foram usadas no crime contra o agricultor. A prisão foi realizada, por volta das 10h30, pelo delegado Walber Virgolino, com a ajuda da Polícia Militar.

Segundo o delegado Wallber Virgolino, Rosângela afirmou que matou o pai porque passou a vida toda sendo estuprada por ele e também presenciou por várias vezes a mãe ser espancada por Geraldo.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, Rosagela Santos Aguiar, teria planejado o crime e matado o pai com a ajuda dos comparsas. O motivo seria o fato do agricultor ter se recusado a repassar parte do dinheiro referente a uma venda de animais. “O pai trabalha com alimentos e gado e teria vendido um animal. A filha se achava no direito de receber uma parte desse dinheiro e ficava pressionando o pai por isso. O agricultor teria negado o dinheiro a filha, o que deixou ela inconformada. Esta é a principal linha de investigação que temos como o motivo para o assassinato”, disse o delegado Diógenes Fernandes que iniciou o inquérito. 

 
Despedida
 
A vítima morava no sítio Cinco Lagoas, na zona rural de Casserengue, onde tinham um roçado. A esposa dele e mãe da acusada, a agricultora Lindinalva Maria dos Santos, disse que duas horas antes do crime a filha teria ido à procura do pai. “Ela morava em Arara e veio a procura dele, mas meu marido estava dormindo. Ela saiu da minha casa xingando ele e depois voltou para dizer que iria se mudar para João Pessoa, onde havia conseguido um emprego, e veio se despedir. Depois fiamos sabendo que ele foi assassinado e ela era principal suspeita”, disse a agricultora. Além de Rosangela, a vítima tinha mais cinco filhos e era casado havia 26 anos. 
 
O crime
 
Geraldo Rivaldo de Aguiar foi assassinado no roçado de sua propriedade enquanto trabalhava. A suspeita da polícia é que a filha teria lhe atacado primeiro com golpes de faca e em seguida os comparsas efetuaram os disparos de arma de fogo. Uma moto alugada por  Rosangela e usada na ação foi encontrada abandoada na zona rural de Arara. A filha do agricultor ainda foi vista fugindo com os outros dois homens e a mulher. 
 
(Atualizada às 13h26)
Veja também  Veja onde se vacinar contra a Covid-19 em Campina Grande nesta segunda-feira (15)