Caso Kelton: Justiça da PB nega pedido de revogação da prisão feito por defesa do suspeito de matar motoboy

Ruan Ferreira de Oliveira está foragido há mais de 40 dias, e a defesa argumenta que ele sofre risco de vida.

A Justiça da Paraíba negou, através da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, o pedido de revogação de prisão preventiva feito pela defesa de Ruan Ferreira de Oliveira. O empresário é suspeito de matar o motoboy Kelton Marques, atingido por um carro em alta velocidade no dia 11 de setembro deste ano, em João Pessoa.

A prisão preventiva foi decretada no dia seguinte à colisão, e desde então Ruan Ferreira está foragido. No pedido de revogação a defesa alegou que o empresário tem condições jurídicas para responder em liberdade, como o fato de ser réu primário, ter emprego e endereço fixos.

Os advogados de defesa acrescentaram, ainda, argumentos relacionados a um suposto risco de retaliações que Ruan estaria sofrendo por causa da repercussão do caso, e afirmam que o suspeito recebeu ameaças de morte.

A decisão da Justiça alega, no entanto, que os argumentos da defesa não são suficientes para revogação da custódia, e destacou que a ultrapassagem registrou um comportamento perigoso por parte do suspeito, e que, caso em liberdade, poderia colocar inocentes em risco.

Procurada pelo Jornal da Paraíba, a defesa do empresário Ruan Ferreira de Oliveira disse que ainda não tinha tido acesso a decisão e que, só após leitura dos argumentos da Justiça, comentaria as recentes movimentações do caso.

Entenda o caso

A equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, mas quando chegou a vítima já estava sem vida. Kelton Marques tinha 33 anos, duas filhas e morava em Santa Rita. Ele trabalhava em um restaurante que atendia nas madrugadas, e na hora do acidente já tinha terminado as entregas do dia e voltava para casa.

Com o impacto, a vítima chegou a ser arremessada e a motocicleta teve destruição total. O carro ficou parcialmente destruído. De acordo com o delegado do caso, Luiz Eduardo, latas de cerveja e substâncias entorpecentes estavam espalhadas pelo carro do motorista.

Imagens do carro do motorista foram divulgadas à imprensa, onde foi possível perceber que além de estar a 163 km/h, o sinal vermelho foi ultrapassado.

De acordo com informações da equipe dos Bombeiros, o motorista não chegou a ser socorrido pois fugiu do local, sem prestar socorro. Ele ainda não foi localizado pela polícia.

O acidente aconteceu no sentido que vai para a Orla da capital, quando o condutor do carro passava pela Flávio Ribeiro e o motociclista cruzava pela Mirian Barreto. A força do impacto chegou a derrubar o muro de um residencial que fica no local.