Navio de carga afunda no litoral paraibano, a 60 milhas de Cabedelo

Quatro tripulantes foram resgatados com vida e outros quatro seguem desaparecidos. Embarcação viajava com destino a Fernando de Noronha.

Navio de carga Thaís IV, que afundou no litoral paraibano

Um navio de carga afundou nesta quarta-feira (22) a 60 milhas de Cabedelo (aproximadamente 120km), ainda nos limites do litoral paraibano. Ele havia saído de Recife com destino a Fernando de Noronha levando mantimentos para o arquipélago, mas foi à pique durante o percurso. Ainda não se tem informações oficiais sobre o motivo do acidente, mas o mau tempo pode ter sido um fator preponderante.

A Capitania dos Portos de Pernambuco emitiu nota oficial por volta das 18h. Confirmou que trata-se do navio Thaís IV. E que o navio mercante Nazenin, que passava pelo local, resgatou com vida quatro dos oito tripulantes. Os demais seguem desaparecidos.

Apesar do naufrágio ter sido no litoral paraibano, todo o resgate está sendo coordenado pelo Salvamar Nordeste, com sede em Natal, e pela Capitania dos Portos de Pernambuco. O Salvamar Nordeste é o órgão que concentra os resgates em toda a região. E esse acionou Pernambuco por ser o ponto origem e de destino da embarcação que afundou, já que o arquipélago de Fernando de Noronha é considerado território pernambucano.

Veja também  Inmet emite alerta de chuvas para 18 cidades do Litoral da Paraíba; veja lista

Existe um protocolo de Busca e Resgate em aberto. Todas as embarcações da região foram avisadas do naufrágio e orientadas a ficar em alerta, em busca de sobreviventes ou vestígios da embarcação que afundou. Foi esse alerta que fez com que o navio mercante encontrasse quatro dos náufragos.

Além disso, dois navios patrulhas e uma aeronave especializada em missões de busca e salvamento se deslocaram para o local. Os tripulantes resgatados vão ser realocados nesses navios, quando a embarcação mercante poderá seguir viagem.

A partir da chegada na área do naufrágio dos navios do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do
Nordeste, esses assumirão os trabalhos de busca dos outro quatro tripulantes, que seguem desaparecidos.