Julgamento de Ruan Macário é adiado; réu responde por atropelar e matar motoboy Kelton Marques

Ruan Macário é réu por homicídio qualificado com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, após atropelar e matar o motoboy Kelton Marques, de 33 anos.

Ruan Macário, acusado de matar motoboy Kelton Marques. Foto: Divulgação/ Redes sociais

O julgamento de Ruan Macário foi adiado nesta sexta-feira (24) após a defesa apresentar um atestado médico por pedra no rim e infecção urinária. A nova data do júri popular é 18 de dezembro. Ele é réu por homicídio qualificado com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, após atropelar e matar o motoboy Kelton Marques, de 33 anos.

O crime aconteceu em 11 de setembro de 2021, e o motorista do carro dirigia a 163 km/h quando ultrapassou o sinal vermelho e provocou a batida. Ele mesmo filmou o acidente com a câmera do carro (assista abaixo). O pedido de prisão preventiva foi emitido no dia seguinte, mas o empresário ficou foragido por 10 meses até finalmente se entregar às autoridades.

prisão preventiva suspeito de atropelar e matar motoboy
Na colisão, a moto de Kelton Marques, de 33 anos, ficou destruída. O motoboy morreu no local.
Foto: reprodução/TV Cabo Branco

Julgamento de Ruan Macário

Inicialmente, o julgamento de Ruan Macário estava marcado para o dia 14 de setembro de 2023, porém foi adiado após solicitação da defesa. Ruan Macário está preso no Presídio de Catolé do Rocha desde o dia 29 de julho de 2022.

Ruan Macário participaria do julgamento através de videoconferência após um pedido da defesa, que alegou que se deslocar até a Comarca da Capital e permanecer custodiado em uma unidade prisional pode colocar em risco a vida do cliente.

A juíza permitiu que o interrogatório fosse realizado de forma virtual, considerando os custos para deslocamento, possíveis atrasos, riscos desnecessários e, além disso, destacou que “existe um entendimento jurídico pacífico acerca da possibilidade do interrogatório do réu ser realizado de forma virtual”.

A defesa de Ruan Macário afirmou que deve se manifestar apenas nos autos do processo e posteriormente durante a Sessão Plenária do Tribunal do Júri.