Após 'festas' e aglomerações em bares, SindCampina faz apelo por abertura responsável em Campina

Foto: reprodução

O presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Campina Grande (SindCampina), Divaíldo Júnior, tem tido uma posição digna de elogios nessa pandemia. Acumulando dificuldades com o fechamento do setor, desde o mês de março, ele ainda assim tem sido cauteloso e recomendado responsabilidade para os empresários que estão retomando as suas atividades na cidade.
Hoje, ao falar sobre o descumprimento de medidas de prevenção por parte de alguns bares da cidade, Divaíldo literalmente não ‘passou a mão na cabeça de ninguém’. Desde a última segunda-feira circulam, nas redes sociais, imagens do que seriam aglomerações e ‘festas’ em alguns locais, com pessoas desrespeitando o distanciamento e sem máscaras.
“Nós apoiamos o Procon e as fiscalizações. Defendemos o emprego e a responsabilidade social. É preciso que os consumidores não consumam produtos nesses estabelecimentos que faltam com respeito com a cidade e com os próprios consumidores”, avaliou, durante entrevista à Rádio CBN.
A preocupação dele tem, também, um outro sentido. É que os protocolos de prevenção – como o uso de máscaras e a manutenção de um distanciamento mínimo – são indispensáveis para evitar o agravamento dos casos de coronavírus na cidade e, por consequência, mais um fechamento dos estabelecimentos.
“Nós queremos evitar um mal maior que seria o fechamento. Muitas empresas não aguentariam e estão trabalhando de forma correta”, disse Divaíldo.
Campina Grande já registrou 7.891 casos confirmados da covid-19 e 174 mortes, conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde. As preocupações de Divaíldo fazem total sentido.

Veja também  Com quadro reduzido, cúpula do bolsonarismo tenta colocar paraibano na disputa em 2022