Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

MPPB diz que vai apurar ameaças à democracia nas manifestações do 7 de setembro

MPPB quer garantir que agentes públicos de segurança não cometam em ilícitos por causa de preferências pessoais, políticas, ideológicas ou religiosas.

Antônio Hortêncio, procurador-geral de Justiça da Paraíba. Foto: Divulgação

O Ministério Público da Paraíba informou que vai acompanhar qualquer tentativa de ameaça à democracia, sobretudo ao anúncio de possíveis manifestações para o próximo dia 7 de setembro com a participação de integrantes das forças de segurança pública do Estado.

O objetivo é garantir os direitos assegurados aos agentes policiais, mas também assegurar que se mantenham dentro dos limites das funções que ocupam, que ajam dentro da legalidade e que cumpram suas obrigações, independente de preferências pessoais, políticas, ideológicas ou religiosas.

Procuradores-Gerais de Justiça

Esta semana, Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Justiça do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) se manifestou que estaria atento a possíveis abusos.

O procurador-geral de Justiça da Paraíba, Antônio Hortêncio Rocha Neto, apoia atuação dos promotores de Justiça que atuam na área militar e no controle externo da atividade policial.

Temos dado todo o apoio necessário aos nossos órgãos internos que atuam nessa área. A orientação é que fiquem atentos e mantenham o diálogo constante com as autoridades policiais, com os comandos e a Secretaria de Segurança, no sentido de observar toda legalidade referente a esses atos, disse Antônio Hortêncio.

Excessos devem ser apurados

O promotor de Justiça Militar, Fernando Andrade, expediu orientação em resposta a ofício da Corregedoria da Polícia Militar, no que diz respeito à possível participação ou apoio de agentes policiais em manifestações.

Veja também  Pesquisadores relatam impactos socioambientais das grandes usinas solares e parques eólicos na Paraíba

“As instituições militares estaduais (e seus componentes) não podem/devem servir a qualquer outro desiderato que não seja a implementação de suas tarefas legais, independentemente de preferências pessoais, políticas, ideológicas, filosóficas, religiosas ou quaisquer outras”, afirmou.

Disse ainda que seja qual for o comportamento adotado pelo cidadão policial e ou bombeiro militar estadual paraibano, que “resvale mesmo que milimetricamente para o solo pantanoso da ilegalidade, deve ser devidamente apurado e trazido à responsabilização administrativa e/ou penal militar (dependendo, evidentemente, de sua extensão e vilipendiação aos nossos bens juridicamente tutelados)”, ressaltou o representante do Ministério Público.

Ainda na resposta à Corregedoria, o promotor afirma que os policiais têm direitos, mas que devem ser exercidos sem ferir nenhum de seus deveres.

Com informações da Ascom/MPPB