Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

STF invalida lei da Paraíba que proíbe suspensão de plano de saúde na pandemia

Benefício seria concedido a pessoas em inadimplência devido à insegurança econômica.

Ministro do STF, Dias Toffoli. Foto: Nelson Jr/STF
Ministro do STF, Dias Toffoli. Foto: Nelson Jr/STF

Uma lei estadual que impedia a suspensão de atendimento a clientes de plano de saúde com mensalidades em atraso, durante a pandemia da Covid-19, foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão majoritária confirmou medidas cautelares que haviam sido deferidas pelo ministro Dias Toffoli.

As ações foram propostas pela União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas) e pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSEG).

Os ministros entenderam a lei estabeleceu uma espécie de moratória aos usuários dos planos de saúde, impedindo a cobrança de juros e multa pelo atraso, a interrupção da prestação de serviços ao usuário inadimplente e o reajuste das mensalidades. Com isso, interferiu na essência dos contratos de plano de saúde, previamente pactuados entre as partes e regulados por normas federais, invadindo a competência privativa da União para legislar sobre Direito Civil e securitário.

Veja também  Uma semana após agenda na Paraíba, Moro afirma que testou positivo para Covid-19

Ainda na linha do voto do relator, a Corte assentou que a norma estadual também contraria a livre iniciativa, ao impor redução na receita das operadoras de planos de saúde, sem qualquer contrapartida e de forma anti-isonômica, pois atribui especificamente ao setor de saúde suplementar o dever de compensar os prejuízos experimentados pelos particulares em razão da pandemia.