Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Em um ano, Paraíba triplicou a capacidade instalada de geração de energia eólica

De acordo com Aneel, a expansão da capacidade instalada de energia elétrica, a partir de fonte eólica no Brasil chegou a 3 GW em 2021. É o maior incremento dessa fonte observado desde 2014, quando foi de 2,7 MW.

Parque eólico nas dunas em Barra de Camaratuba, Mataraca. Foto: Reprodução TV Cabo Branco/Imagem Jardel Nunes
Parque eólico nas dunas em Barra de Camaratuba, Mataraca. Foto: Reprodução TV Cabo Branco/Imagem Jardel Nunes

Em pouco mais de um ano, a Paraíba mais que triplicou a capacidade instalada de geração de energia eólica. Em setembro de 2020, o estado tinha 15 parques eólicos com capacidade instalada de 157 MW. Suficiente para abastecer 78.500 domicílios.

Em dezembro de 2021, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel, o estado tem 27 parques em operação, com capacidade instalada 524 MW. Energia suficiente para 255 mil domicílios. Ou seja, 1,02 milhão de habitantes (considerando 4 pessoas por casa).

Com esses dados, a Paraíba ocupa o sétimo lugar no país. O sexto do Nordeste. Dos 10 maiores produtores de energia solar no Brasil, oito são estados nordestinos.

Na região, a PB fica atrás do RN, BA, CE, PI, PE. Rio Grande do Sul, no quesito, é o único estado que não é nordestino. Os investimentos na Paraíba, nos últimos anos, já passam dos 3 bilhões, de acordo com o governo do estado.

Até o fim de 2023, serão mais 17 parques eólicos. Os empreendimentos já estão autorizados. Segundo a Aneel, a potencia instalada será de mais 693 MW. O suficiente para abastecer mais de 346 mil famílias. Abaixo, mapa com potencial eólico paraibano:

De acordo com Atlas Eólico, nas áreas em vermelho e roxo estão as regiões com maior potencial. No Sertão, em branco, um corredor de vento em plena expansão. Ilustração: Will Campos

Vagas de emprego

No último dia 09, uma empresa do ramo de energias renováveis iniciou obras para instalação de uma unidade eólica na região de Junco do Seridó e Santa Luzia, na Paraíba. Estima-se a geração de mais de 600 empregos diretos indiretos.

A potência total de geração do novo empreendimento será de 242 MW. O início das operações está previsto para o primeiro trimestre de 2023 e há vagas de emprego para interessados em trabalhar na obra.

Veja também  Azevêdo acelera agenda de inaugurações na semana final permitida pela lei eleitoral

Parque eólico na Serra de Santa Luzia. Foto: Neguinho Marques

Matriz elétrica no Brasil

Ano após ano a energia eólica amplia participação na matriz elétrica brasileira. Atualmente, passa 11,%, e parques do Brasil já tem capacidade instalada de 20,5 GW.

Neste ano, de severa crise hídrica, a fonte eólica chegou a ser responsável por 20% do que era consumido em todo o país durante todo o dia. Os dados são da Associação Brasileira de Energia Eólica – Abeeólica.

Atualmente, é a segunda fonte de geração de energia elétrica no Brasil. Em 2021, bateu o recorde de abastecer todo o Nordeste, durante todo um dia, por mais de uma vez. 

Recorde em 2021

De acordo com Aneel, a expansão da capacidade instalada de energia elétrica a partir de fonte eólica no Brasil chegou a 3.051,29 megawatts (MW) em 2021, considerando-se os dados referentes a novembro.

É maior incremento dessa fonte observado desde 2014, quando 2.786 MW foram liberados pela Aneel para operação comercial no país.

O Brasil tem 781 parques eólicos em operação e 20,5 GW de capacidade de instalada. São os dados mais recentes da Aneel, referentes a 21 de dezembro deste ano O suficiente para abastecer 10,2 milhões de domicílios, mais de 40 milhões, se considerarmos uma média de quatro pessoas por casa.

Dados de 23 de novembro de 2021. Infovento/Abeéolica.

Dados de 23 de novembro de 2021. Infovento/Abeéolica.

Série de reportagens

No início do mês, o Conversa Política veiculou uma série de reportagens, Energia Nossa, sobre o potencial solar e eólico na Paraíba. Também ouviu especialistas que falaram sobre impactos sociais e ambientais dos empreendimentos.  Veja todas as reportagens no link abaixo.

Energia Nossa