Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Novos decretos: autoridades podem exigir teste negativo de Covid-19 em shows

Normas do governo do estado e da prefeitura de João Pessoa devem ser publicadas nas próximas horas. Os termos estão sendo discutidos e o debate gira em torno de mais restrições para evitar aglomerações em shows.

Lovina (Foto: Igor do Ó)
Lovina (Foto: Igor do Ó)
Foto: Divulgação/ Igor do Ó

O novo decreto do governo do estado deve sair na noite desta segunda-feira (31) ou nesta terça (01), quando começam a valer as novas medidas para conter a onda de contaminação pela Covid-19, provocada pela nova variante Ômicron.

Com medo do pico da contaminação, anunciado  para os próximos dias por autoridades de Saúde do estado e pelo próprio ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, gestores dá área já defendem que não sejam permitidos shows nos próximos dias.

O próprio secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, defendeu essa tese em uma reunião realizada no último sábado (29) com os Ministérios Públicos (Federal, Estadual, do Trabalho e de Contas) e representantes do setor de eventos.

Uma solução apresentada, de acordo com apuração do Conversa Política, no caso do decreto de João Pessoa, seria exigir teste negativo de Covid-19, com até 48 horas de antecedência, além de comprovante de vacinação, de todas as pessoas que forem ao shows, eventos  sociais e corporativos.

A prefeitura da capital aguarda para saber qual o grau de rigidez do estado para tomar uma decisão sobre as novas medidas. A ideia é discutir antes e evitar divergências grandes, que gerem judicialização.

Algo parece certo, a diminuição da capacidade de público nos eventos. A prefeitura trabalha com 50% da capacidade de público, limitado a 5 mil pessoas, além da exigência de teste Covid-19 para acesso ao show. A tentativa é buscar um meio termo que atenda ao setor de eventos e não sobrecarregue ainda mais a saúde da capital.

Veja também  Candidatos ao governo e ao Senado da Paraíba assinam carta em defesa da democracia

Neste domingo, a prefeitura de João Pessoa suspendeu as férias dos trabalhadores da saúde por causa do aumento de internações e porque muitos profissionais positivados estão se afastando das atividades, o que vem gerando sobrecarga no sistema.

No Distrito 5, em João Pessoa, que abrange a região das praias, os postos de saúde não estão aplicando a 3º da vacina porque estão sem profissionais para isso. Muitos se afastaram porque foram contaminados.

Escolas

Donos de escolas e pais estão apreensivos porque também não sabem o que pode acontecer. Há um receio de que os governos determinem nos novos decretos o retorno de aulas remotas. Muitas escolas já iniciaram os trabalhos de maneira híbrida e com boa parte dos estudantes na sala de aula, presencialmente.

Autoridades de saúde da capital e do estado não sinalizam para este caminho, visto que a educação foi o setor mais prejudicado nos últimos dois anos. Mas pretendem focar na necessidade mandar para as atividades presenciais, como todos os protocolos e rigor, aqueles que foram vacinados.

Em entrevista à TV Cabo Branco, o secretário executivo da Saúde, Daniel Beltrammi disse que não deve ter alteração em relação às aulas, visto que os estudantes foram os que mais sofreram com a suspensão das atividades durante a pandemia.