Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Plano Collor: Justiça e Caixa planejam acordo de expurgos inflacionários de poupadores

Representantes da Caixa Econômica Federal e da Justiça Federal na Paraíba (JFPB) planejam um nova audiência com os poupadores para uma conciliação. 

Mais de 1 mil pessoas que aguardam há mais de 30 anos uma solução para problemas na correção monetária pela variação da inflação de poupanças no plano Collor I (de abril de 1990) podem finalmente ter o dinheiro de volta. Representantes da Caixa Econômica Federal e da Justiça Federal na Paraíba (JFPB) planejam um nova audiência com os poupadores para uma conciliação.

Uma ação conciliatória dessa natureza já foi realizada no ano passado, beneficiando mais de 1.500 usuários de contas de poupança, que pleiteavam os expurgos inflacionários do plano econômico Collor I.

Conforme o supervisor do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos e Cidadania da Seccional (Cejusc), Marconi Araújo, “até o final de julho, após nova reunião com a presença da juíza federal coordenadora do Centro, Adriana Carneiro da Cunha, representantes do escritório de advocacia, da Caixa e da Federação Brasileira pelos Poupadores (Febrapo), deverá ser divulgada a data dessa segunda rodada de acordos – que vai envolver em torno de mil pessoas, que aguardam há mais de 30 anos uma solução para o pedido de reajuste de poupança”.

Veja também  Pardal: aplicativo do TSE volta para Eleições 2022 e já tem três denúncias na Paraíba

Ainda segundo o supervisor, todos os casos deverão ser analisados em uma única sessão, já que as partes autoras são representadas pelo mesmo escritório de advocacia.

“É do interesse da Caixa solucionar esses processos o mais rápido possível, e o Cejusc é um parceiro nosso”, frisou a coordenadora jurídica da Caixa, Shimena Torres.

A celebração de acordos coletivos com poupadores é permitida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), após decisão, em 2020, que validou essa possibilidade. O parecer atendeu solicitação da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), da Advocacia-Geral da União (AGU), Frente Brasileira Pelos Poupadores (Febrapo) e outras instituições.