Operação investiga esquema de desvio de doações e repasses de dinheiro público feitos ao Hospital Padre Zé

As condutas indicam a prática, em princípio, dos delitos de organização criminosa, lavagem de capitais, peculato e falsificação de documentos públicos e privados’, diz nota do Gaeco.

A Força Tarefa composta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado – GAECO do Ministério Público do Estado da Paraíba, pela Polícia Civil da Paraíba da Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social, pela Secretaria de Estado da Fazenda da Paraíba e pela Controladoria-Geral do Estado da Paraíba, cumprem, na manhã desta quinta-feira (05),  11 mandados judiciais de busca e apreensão, em endereços de 3 investigados, sendo 8 (oito) na cidade de João Pessoa-PB, 1 (um) na cidade de Conde-PB e 2 (dois) na cidade de São Paulo-SP.

A “Operação Indignus” tem o objetivo de apurar possíveis desvios de doações e de recursos públicos ao Instituto São José, do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana/ASA, no município de João Pessoa-PB, por meio da falsificação de documentos e pagamento de propinas a funcionários.

Segundo o MPPB, a investigação aponta para uma absoluta e completa confusão patrimonial entre os bens e valores de propriedade das referidas pessoas jurídicas com um dos investigados, com uma considerável relação de imóveis atribuídos, aparentemente sem forma lícita de custeio, quase todos de elevado padrão, adornados e reformados com produtos de excelentes marcas de valores agregados altos.

As condutas indicam a prática, em princípio, dos delitos de organização criminosa, lavagem de capitais, peculato e falsificação de documentos públicos e privados’, diz nota do Gaeco.

A Operação conta com a participação de 36 integrantes do GAECO-PB (incluindo membros e servidores), com 28 integrantes da Polícia Civil da Paraíba (delegados e policiais civis), com 8 componentes do GAECO-SP, além do apoio da SEFAZ e CGE, formando uma efetivo de aproximadamente 72 agentes públicos.

Operação investiga esquema de desvio de doações e repasses de dinheiro público feitos ao Hospital Padre Zé
Um dos apartamentos, em João Pessoa, alvo de busca e apreensão em João Pessoa.

Investigação 

A unidade filantrópica presta um serviço importantíssimo aos mais pobres, em especial os idosos, mas pode ter sido usada como duto para desvio de milhões que são repassados, por meio de emendas parlamentares federais, estaduais e municipais, recursos de assistência social do estado (como do Fundo de Combate à Pobreza- Funcep), prefeituras e de doações privadas.

Entre os principais alvos da investigação está o Padre Egídio, ex-diretor, que, recentemente, foi afastado das funções na Igreja pela Arquidiocese da Paraíba.

Veja também: 

Hospital Padre Zé admite problemas financeiros e solicita força-tarefa para varredura nas contas