João Paulo Medeiros

Sem regulamentação, passaporte da vacina vira ‘elefante branco’ legislativo na Paraíba

Projeto foi aprovado no dia 5 de outubro e sancionado dia 14, mas sem regulamentação

Foto: Secom

Aprovado desde o dia 5 de outubro, o projeto de lei que instituiu uma espécie de ‘passaporte da vacina’ permanece sem regulamentação na Paraíba. O tema, aliás, provocou confusão até mesmo na Assembleia Legislativa, quando um dos deputados, o Cabo Gilberto (PSL), negou-se a cumprir uma regra semelhante aprovada pela ‘Casa’ – que proibia a entrada de pessoas não imunizadas.

O passaporte foi sancionado dia 14 pelo governador João Azevêdo (Cidadania), mas a própria lei estabeleceu que a execução dependeria de regulamentação.

“A determinação do âmbito de abrangência, a temporalidade inicial e final das restrições deve ser determinada pelo Poder Executivo estadual com a devida fundamentação de necessidade”, diz um dos trechos da norma.

De lá para cá, não foram poucas as vezes que auxiliares do Governo disseram que o passaporte sairia do papel. Mas, até agora, ele continua sendo um ‘elefante branco’ legislativo.

Veja também  Cícero diz que discurso de Galdino na convenção do PSB “não foi uma atitude correta em um momento de festa”

No fim do mês passado, através de decreto, o Governo do Estado chegou a indicar algumas punições para quem descumprir protocolos sanitários e trouxe a exigência de apresentação do cartão de vacinação para algumas atividades, mas muito pouco diante da abrangência do passaporte.

A previsão continua sendo de que “até a próxima semana” o tema seja regulamentado.

Caso um dia isso ocorra, surgirá uma outra questão: a aplicação e fiscalização, na prática, da norma. Por enquanto, o que se sabe é que o passaporte é uma obra sem utilidade. Existe, mas não tem eficácia alguma na Paraíba.