João Paulo Medeiros

Ventos empurram Veneziano para candidatura. Ele e João Azevêdo sabem disso

Esposa do senador entregou comando de secretaria do Governo ontem

Foto: divulgação
Foto: divulgação

As circunstâncias e as últimas movimentações políticas são claras. Elas convergem para um rompimento do senador Veneziano Vital (MDB) com o Governo João Azevêdo (Cidadania) e o lançamento da candidatura do emedebista ao Palácio da Redenção. Até os pombos da Praça da Bandeira percebem isso. O senador e o governador, também.

O gesto de Ana Cláudia Vital, de entregar o comando da secretaria de Articulação Municipal ontem, foi apenas mais um passo nessa direção.

E vejam mais.

Há meses as agendas de Veneziano e Azevêdo são incompatíveis e a executiva nacional do MDB tem estimulado uma candidatura própria.

Com mais quatro anos garantidos no Senado, o emedebista não ficaria sem mandato – em caso de insucesso na disputa; e a candidatura própria fortaleceria a legenda na disputa proporcional – por vagas na Assembleia e na Câmara Federal.

Junte-se a isso o fato de que a indicação de Ana Cláudia ou Nilda Gondim para vice de Azevêdo, em outubro deste ano, inviabilizaria uma candidatura de Veneziano em 2026 ao Governo.

Há também um desgaste muito forte e desconfiança crescente entre os dois grupos (de João e Veneziano). Cinco minutos de conversa com interlocutores, dos dois lados, e é possível chegar a essa conclusão.

Veja também  Após aprovação de 93%, Saúde anuncia novo mutirão de consultas e exames em Campina

E, por último: Veneziano nunca escondeu de ninguém o desejo de disputar o Governo da Paraíba.

Foto: divulgação/Facebook

Conversa e certezas para os dois

Diante desse cenário, João Azevêdo e Veneziano conversaram reservadamente ontem. Por mais que alguns ainda digam que não há rompimento, os sinais são de um afastamento cada vez mais iminente.

Para os dois, algumas certezas já estão colocadas na mesa.

No caso de Azevêdo, ele sabe que precisa ter um time escalado para substituir o grupo do emedebista. O governador deve continuar acompanhando os movimentos de Veneziano, mas trabalha para não ser surpreendido. A aproximação com o PSD, de Romero Rodrigues, não ocorre por acaso.

Já a Veneziano resta a certeza de que terá que definir se seguirá caminhando para construir um projeto próprio ou se mudará de rota.

Os ventos sopram, nesse momento, para o fluxo das circunstâncias. A saída de Ana Cláudia do Governo, antes do prazo, corrobora com essa direção.