Após três denúncias do Gaeco, Justiça manda afastar Buega Gadelha do comando da Fiep

Buega Gadelha é alvo de três denúncias do Gaeco no âmbito da CIfrão

Foto: Josusmar barbosa

Alvo de três denúncias do Gaeco no âmbito da Operação Cifrão, o presidente da Federação das Indústrias da Paraíba, Buega Gadelha, entrou mais uma vez na mira da Justiça. Dessa vez uma decisão do juiz Arnaldo José Duarte do Amaral, da 2ª Vara do Trabalho de Campina Grande, determinou o afastamento dele do comando da entidade.

O magistrado atendeu a um pedido de concessão de tutela provisória movido pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico e de Resinas Sintéticas (Sindiplast/PB). O processo tem por base a falta de transparência e a falta de prestação de contas por parte da gestão Gadelha no controle da instituição.

Um outro pedido de afastamento já havia sido feito, mas agora o pleito ganhou força após o presidente ter sido denunciado por três vezes pelo Ministério Público. 

As denúncias apontam um suposto envolvimento dele em fraudes praticadas na execução de obras do Sistema S no Estado e já foram amplamente retratadas pelo Blog.

Conforme o magistrado, a Fiep “está a dificultar o acesso aos interessados de documentos que estejam arquivados relacionados às contas e que corroborem a prestação de contas apresentadas e balanços”.

“Tal cenário de fato e de direito faz recomendar, a nosso sentir, aadoção do Poder Geral de Cautela e nesse sentido defiro, parcialmente, a pretensão do demandante no sentido de determinar o imediato afastamento do Sr. Francisco Gadelha da Presidência da FIEP, determinando que a demandada, por meio do substituto temporário do Sr. Gadelha (Vice-Presidente Executivo mais idoso / §§ 2º e 3ºdo Art. 25 do Estatuto)”, diz a decisão.

No pedido os autores alegam que “as denúncias têm prejudicado gravemente, de forma reiterada, os interesses de empregados e empregadores do setor industrial paraibano mantendo uma organização criminosa em funcionamento no seio da federação, razão pela qual não possui mais condições de permanecer na Presidência da FIEP, devendo ser imediatamente afastado por este juízo”.

Dias atrás a Justiça também condenou a Fiep ao pagamento de quase R$ 100 mil em multas por descumprimento de decisões judiciais.  

É a segunda vez que o mandatário, reconduzido para o cargo no ano passado, deixa a função por decisão judicial. A primeira foi em 2019, no bojo da operação Fantoche, da Polícia Federal.

Até agora a direção da Fiep não se manifestou sobre a decisão judicial.