André Telis

Quais são os novos sintomas da variante ômicron

divulgação

Sintomas da variante ômicron estão mudando e se confundem com os de uma gripe comum.

Aqui  na Paraíba as altas temperaturas que vêm acompanhando o verão têm lotado praias e piscinas.

Quem vai a algum desses locais percebe que isolamento social é quase coisa do passado.

Aglomerações, gente sem máscara por tudo que é lugar e aquela velha sensação que a pandemia é coisa de 2021.

Inverno no Hemisfério Norte e explosão de casos de COVID-19

Já no hemisfério norte a coisa tá bem diferente. Por lá, por conta de uma nova explosão de casos de COVID-19,  esse clima de segurança tem dado lugar às conhecidas medidas de restrição.

No feriado do Natal, por exemplo, cerca de 4500 voos foram cancelados.  Portugal decretou estado de calamidade desde 1o. de dezembro por causa da explosão de casos de covid- 19.

Semana passada, na Inglaterra, 200 mil casos eram diagnosticados todos os dias.

Nos Estados Unidos a coisa é ainda pior, meio milhão de novos casos todos os dias tem feito o Americano se preocupar com a superlotação do sistema de saúde.

De uma forma geral, com inverno apertanto por lá e as temperaturas despencando, o clima é de preocupação.  A pandemia que parecia que iria embora em 2021 deixou um clima tenso no ar. Tanto que muitos países já estão pensando numa quarta dose de vacina contra a covid- 19.

Gripe x Covid: os sintomas tem mudado

Mas se no início da pandemia os sintomas de Covid-19 eram bem conhecidos, agora com a nova variante eles tem mudado e gerado muita dúvida. Lá na Inglaterra, pesquisadores que tem acompanhado os dados desde o início da pandemia tem visto o surgiemnto de novos sintomas.

Quase metade dos 200 mil ingleses que tem diagnóstico de COVID-19 causada pela variante ômicron tem sintomas que facilmente se confundem com a de um resfriado comum.

Veja também  Miocardite pós vacina: o risco existe?

Inicialmente, os sintomas da ômicron que mais se destacavam eram cansaço, dores musculares, coceira na garganta ou arranhando, febre baixa (em casos) e tosse seca (poucos casos). Agora fazem parte do quadro coriza, dor de cabeça, espirros, tosse fraca e febre leve.

No estado,  casos de influenza A tem lotado unidades de pronto atendimento e emergências. 

Como de rotina apenas excluímos Covid- 19 e não fazemos o sequenciamente genético para identificar variante, ainda não é possível afirmar o percentual de casos pela ômicron.

Mas se os sintomas se misturam, casos de resfriado se confundem com Covid-19 e  pior, casos de covid-19 podem estar circulando por aí e disseminando uma nova variante que apesar de mais leve, se transmite de forma muito mais fácil.

Portanto, a nossa orientação baseada em evidências científica,  é que a qualquer sinal de infecção respiratória faça-se o teste. Esperar que sinais mais graves apareçam pode ser permitir que mais pessoas estejam nas ruas disseminando o vírus.

Sintomas da gripe

Os sintomas clássicos da gripe são febre súbita, tosse, dor de cabeça, dores musculares e articulares, mal-estar, dor de garganta e coriza. No caso do H3N2, os sintomas são os mesmos, com o potencial de causar casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em idosos e imunocomprometidos.

Flurona

Esse é o nome dado a infeção simultânea causada pelo coronavírus e a influenza.  Tivemos notícias do primeiro caso em Israel dia 01 de janeiro de 2022.

Apesar de poucos dados oficais, registraram-se casos de  Flurona em outros países, ínclusive no Brasil.

Diante dos sintomas bem parecidos de Covid-19 e gripe, normalmente o paciente que testa positivo para covid não realiza exames para influenza.

Por hora, não é possível dizer se um paciente acometido por ambos os vírus pode apresentar um quadro de saúde pior.