André Telis

Deltacron: a nova variante que chegou com prazo para ir embora

Nova variante do coronavírus preocupa a OMS – Foto: Agência Brasil

Deltacron: a nova variante chegou, mas parece que tem data para ir embora. Será?

Enquanto as cidades discutem a retirada ou não das máscaras, a comunidade científica vê com preocupação o surgimento de uma provável nova variante do coronavírus.

Nesse sábado (08), foi feita uma divulgação por professores da Universidade do Chipre de uma variação até então não conhecida do coronavírus. Essa variante reúne características da ômicron com alguns genes da delta, daí já vem sendo chamada de  “deltacron”.

Na manhã deste terça-feira, o ministro Marcelo Queiroga, confirmou a existência de dois casos da nova variante no Brasil. Os casos foram identificados no Amapá e Pará.

Quando a Deltacron foi identificada?

Um estudo francês ainda não revisado por pares, publicado em 8 de março no site médico medRixv, afirma que ela seria realmente uma conjugação de dois vírus em um terceiro, bem diferente das especulações iniciais dos cientistas que a “deltacron”seria um erro laboratorial.

Isso significa que as duas variantes da covid-19 podem ter infectado um paciente simultaneamente e, no organismo da pessoa infectada, fizeram uma troca de material genético. O material genético dos dois subtipos se juntaram em uma nova variante.

A OMS ainda não identificou a Deltacron como uma variante de preocupação, mas tem monitorado atentamente todos os casos no mundo inteiro.

Veja também  Quantas horas de sono devo dormir?

Segundo cientistas, ainda não é o momento para entrar em pânico. Poucos casos foram identificados no mundo e até então, não se observa um crescimento importante que gere preocupação.

Não parece que isso represente uma nova variante e um provável risco de aumento de casos. Ela guarda características da ômicron, e para o nosso sistema imunológico, é como se houvesse uma nova tentativa de invasão pela ômicron. Como a maioria da população já foi imunizada ou já teve contato com a ômicron, é provável que não tenhamos novidades no cenário epidemiológico.

Os estudos apontam que a Ômicron é 75% menos letal do que a Delta, então provavelmente, ao ser confundida com essa variante, o corpo posso lidar adequadamente.

Em relação ao risco de contaminação, ainda não é possível afirmar se ela é tão infectante quanto a ômicron.

Em quais locais a Deltacron foi identificada?

Além de França e Brasil, foram identificados casos na Dinamarca, Alemanha, Holanda e Estados Unidos.

A comunidade científica ainda não definiu nome, por enquanto ela tem sido chamada de Deltracron.