Barreira do Cabo Branco: pesquisa investiga se enrocamento reduz faixa de areia e aumenta erosão na calçadinha

A obra na Barreira do Cabo Branco é analisada por um grupo de pesquisadores da UFPB há cerca de seis meses. O resultado ainda não é considerado conclusivo. 

Pesquisadores investigam se enrocamento se pode causar aumento da erosão na calçadinha. Reprodução: Arquivo pessoal

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) estão investigando se o enrocamento da Barreira do Cabo Branco seria responsável por reduzir a faixa de areia da praia e, consequentemente, aumentar a erosão da calçadinha, área que foi destruída pela intensa ação do mar. O grupo analisa há cerca de seis meses um trecho que vai da Praia do Seixas até a Praia do Cabo Branco, em João Pessoa, e o resultado não é considerado conclusivo. 

A obra do enrocamento foi entregue em novembro de 2020, quando foi concluída a colocação de pedras no sopé da barreira do Cabo Branco, com objetivo de criar um obstáculo entre a base da barreira e as ondas que atingiam a falésia com forte intensidade e provocavam sua erosão.

“O enrocamento foi feito para proteger a barreira da erosão, está protegendo parcialmente, mas está causando erosão em outros lugares”, explica o pesquisador e coordenador da pesquisa, Saulo Vital.

Barreira do Cabo Branco: pesquisa investiga se enrocamento reduz faixa de areia e aumenta erosão na calçadinha
Enrocamento está protegendo a barreira, mas causa erosão em outros pontos da praia do Cabo Branco. Reprodução: Arquivo pessoal

O pesquisador explica que uma corrente marítima arrasta sedimentos da Praia do Seixas em direção à Praia de Cabo Branco. A areia deveria ser depositada ao longo da costa, mas os sedimentos ficam presos nas pedras do enrocamento, faltando areia no trecho próximo à rotatória. 

A pequena faixa de areia permite uma maior ação do mar na calçadinha e, consequentemente, aumenta a erosão do local. “A areia da praia protege a costa da erosão. O que está entre o continente e o mar é a faixa de areia da praia, que é responsável por separar as duas coisas. Sem ela o mar avança e invade o continente. A areia tem uma função de amortecimento”, explicou. 

Os pesquisadores também identificaram que a areia pode estar acumulando na Praia do Seixas, o que pode aumentar a faixa de areia da região. Até o próprio enrocamento está começando a ficar parcialmente coberto de areia enquanto falta em Cabo Branco, explica o pesquisador Saulo Vital. 

Saulo Vital ressalta que os resultados da pesquisa não são conclusivos. Apenas com 1 ano de observação da região é que os resultados podem ser considerados concretos e dois anos para se tornarem definitivos. “O estudo está encaminhando para esse entendimento, mas não é uma conclusão fechada e provada”, afirmou. 

A pesquisa é desenvolvida pelo Laboratório de Estudos Geológicos e Ambientais (LEGAM) da UFPB, a partir de uma parceria entre o grupo de pesquisa em geomorfologia e gestão dos riscos naturais, coordenado por Saulo Vital, e o grupo de estudos e pesquisas sobre o espaço costeiro, com coordenação de Cristiane Moura. O projeto é financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Ações da prefeitura na Barreira do Cabo Branco

A Secretaria de Planejamento da Prefeitura de João Pessoa foi procurada para falar sobre a obra do enrocamento da Barreira do Cabo Branco, mas não respondeu até a publicação desta reportagem.
Em abril deste ano, a Prefeitura de João Pessoa anunciou a construção de uma contenção da calçadinha com a implantação de estacas-prancha.
Segundo a gestão, a tecnologia é utilizada para evitar que a movimentação do mar degrade a parede da calçadinha. As estacas-pranchas possuem encaixes que formam uma parede de retenção. Também será feita a recomposição da área que sofreu erosão para nivelamento da calçada.
A Prefeitura também planeja reconstruir a própria calçadinha e a ciclofaixa. Também prevê a implantação de paisagismo, bancos, academias e um espaço de contemplação na área da Barreira do Cabo Branco.