Caso Alph: ‘namorada’ e amigo são acusados por morte de estudante da UFPB, e estão foragidos

Corpo de Alph foi encontrado no dia 8 de fevereiro de 2020. De acordo com a decisão judicial, a motivação do crime teria sido um possível “triângulo amoroso”.

Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

A Justiça da Paraíba decretou a prisão preventiva de dois acusados pela morte do estudante Cleyton Tomaz de Souza, conhecido como Alph. Os acusados faziam parte do ciclo próximo da vítima. Selena Samara Gomes da Silva, é apontada como namorada de Alph, e Abraão Avelino da Fonseca, que seria amigo da vítima. As informações foram divulgadas pelo portal g1 Paraíba. Os dois suspeitos estão foragidos.

De acordo com a decisão, a motivação do crime teria sido um possível relacionamento amoroso, visto que, segundo os relatos de pessoas próximas, Selena mantinha um relacionamento com Alph e com o acusado, Abraão. 

O corpo de Alph foi encontrado no dia 8 de fevereiro de 2020, em estado de decomposição, com marcas de tiros, em uma mata às margens de uma estrada em Gramame. De acordo com o IPC, a vítima sofreu um disparo de arma de fogo na cabeça.

A defesa de Abraão disse ao g1 que “no momento não tem nada a declarar sobre o caso”, que só vai fazer isso no fim da instrução processual. A defesa de Selena afirmou que a cliente é inocente e que “no momento oportuno, durante a instrução processual, os fatos serão esclarecidos”.

De acordo com a decisão, que saiu em junho, o pedido de prisão veio após análise de provas materiais e depoimentos coletados de pessoas próximas aos envolvidos. Abraão Avelino é acusado de ter relação com o tráfico de drogas.

Em setembro, as defesas dos dois acusados tentaram derrubar o pedido de prisão preventiva, mas a Justiça não atendeu nenhuma das solicitações. A juíza, inclusive, marcou a audiência de instrução e julgamento para o dia 16 de novembro.

Relembre como tudo aconteceu

A morte do estudante da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), conhecido como Alph, teve grande repercussão estadual e nacional. Na época, o movimento estudantil reivindicou respostas sobre o assassinato. 

Em fevereiro de 2020, o Instituto de Polícia Científica (IPC) identificou o corpo do estudante Clayton Tomaz de Souza, conhecido como Alph, de 31 anos, que estava desaparecido desde o dia 6 de fevereiro. Ele era de Pernambuco e cursava Filosofia, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa.

Veja também  Paraíba ultrapassa marca de 445 mil casos de Covid-19 e tem 9.399 mortes pela doença

Segundo informações da Polícia Civil, que investigou o caso, o corpo do estudante foi encontrado no dia 8 de fevereiro, já em estado de decomposição e com marcas de tiros, às margens de uma estrada em Gramame, em uma região de mata.

Alph era conhecido por sua essência de luta, que reivindicava a universidade como um espaço público, popular e cultural, exigindo uma mudança na política de segurança da UFPB. Com isso, ele começou a relatar perseguições, assim como denunciá-las de várias formas. O estudante chegou a apresentar dossiê recebido pelo MPF em 2016.