Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

João Azevêdo viaja a Brasília onde Romero decide se ainda é pré-candidato da oposição

A cúpula do PSDB na Paraíba cobra posicionamento do ex-prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues para as eleições 2022.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Brasília entrou na rota dos políticos paraibanos nesta terça-feira (26). Além do encontro decisivo entre a cúpula do PSDB e o ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), mais um protagonista da cena política dos últimos dias está em campo e pode, com intenção ou não, incendiar as articulações para 2022: o governador João Azevêdo (Cidadania).

João entrou em um avião comercial com destino à capital federal nesta madrugada. Abriu mão, inclusive, da aeronave oficial do estado para cumprir compromissos oficiais e, quem sabe, um agenda político-eleitoral. Na agenda oficial, conforme apurou o Conversa Política, o governador vai participar de uma feira de artesanato e terá reuniões em dois ministérios.

Romero Rodrigues também cumpre agenda em Brasília. Vai participar da filiação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ao PSD. Pacheco lançado como pré-candidato à presidente da República pelo partido. O evento será realizado nesta quarta-feira (27).

Antes, nesta terça-feira à noite, na agenda político-eleitoral paraibana, deve encontrar com as lideranças tucanas. O presidente estadual do PSDB, Pedro Cunha Lima, espera encontrar Romero para uma conversa sincera. Na prática, quer uma definição política para 2022, saber se ele é governo ou oposição.

Também devem participar do encontro com Romero o ex-senador Cássio Cunha Lima e o deputado federal Ruy Carneiro. Ruy, inclusive, encontrou-se com o prefeito na viagem e jantaram juntos, ontem.

Veja também  Cícero cancela festa de Réveillon na orla de João Pessoa e mantém ‘Natal dos Sentimentos’

Os tucanos abriram mão de candidatura própria no passado para apoiar a pré-candidatura de Romero ao governo, em oposição ao projeto de reeleição do governador João Azevêdo. Recentes movimentações de lideranças do PSD, como a da ex-deputada Eva Gouveia, o deputado estadual Manoel Ludgério, e uma parte significativa de aliados e da base, fizeram surgir a tese de uma possível desistência de Romero para se aliar ao governo. A vaga de vice passou a ser ventilada neste cenário.

Romero se mantém quieto, acobertado pelo processo de convalescença da cirurgia que fez do braço. No “retorno” à vida política, no entanto, teve um café da manhã com a senadora Daniella Ribeiro (Progressistas), que ainda está na arco de aliança do governo para 2022.