Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Opinião: chefes de Poder Executivo deveriam ter limite de nomeação de parentes nas gestões

Em muitos municípios paraibanos, a competência é a justificativa. Mas é o sangue o principal motivo da seleção simplificada. 

Ilustração: site Migalhas

No fim de semana, a nomeação de Janine de Lucena como nova secretária-executiva de Saúde de João Pessoa trouxe, mais um vez, reabriu o debate sobre a presença  de parentes de primeiro e segundo graus de chefes de Poder Executivo na gestão.

A nova auxiliar é filha do prefeito da capital Cícero Lucena (Progressistas).

No caso dela, também chamou atenção porque foi uma espécie de institucionalização do que se sabia no bastidores: a influência/poder dela na tomada de decisões da área, mesmo ainda sem portaria de nomeação no Diário Oficial.

Não faz muito tempo, o ex-prefeito Luciano Cartaxo (PT) nomeou o irmão, Lucélio Cartaxo (PT), para chefe de Gabinete e houve também muitos questionamentos. O moído também foi grande.

Sempre será porque para população, de maneira geral, não cai bem, mesmo Supremo Tribunal Federal afirmando que não há ilegalidade.

É aquele tipo de situação que a maioria engole a seco.

Festa

No interior do estado, sem o olhar permanente da imprensa e sem um oposição forte, ou melhor, sem motivos pra constrangimentos, prefeitos fazem a festa.

Veja também  PCO registra candidatura de Adriano Trajano ao governo da Paraíba e define vice

Em muitos municípios, a esposa do gestor cuida das finanças, o irmão das obras, a cunhada da saúde ou da educação, o outro irmão ou cunhada do desenvolvimento social. Se juntar o salário de todos, uma boa fatia anual fica na “mesma casa”.

Tudo avalizado pelo entendimento do Supremo. A população não tem muito o que fazer.

Por isso, a sugestão de muitos é que houvesse pelo menos um limite de familiares nas gestões. Dois, três ou até quatro, no máximo. Tudo contado, publicizado e com justificativas claras.

É que se der um remexida em algumas prefeituras não será difícil encontrar mais de meia dúzia ou uma dezena de parentes tomando conta dos cargos possíveis.

A competência e a confiança são a justificativa. Mas é o sangue o principal motivo da seleção simplificada.