Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Ricardo pode ser o maior beneficiado com pulverização de pré-candidatos ao Senado

À esquerda, ele é o único nome capital eleitoral. Nesse campo, só o professor e advogado Alexandre Soares, escolhido pelo Psol, pode disputar alguns votos com o petista.

Foto: divulgação

Se conseguir ser candidato ao Senado, o ex-governador Ricardo Coutinho (PT) pode ser o maior beneficiado com esse cenário de pulverização de nomes à centro-direita e direita, na disputa pela senatória.

À esquerda, ele é o único nome capital eleitoral. Nesse campo, só o professor e advogado Alexandre Soares, escolhido pelo Psol, pode disputar alguns votos com o petista. Nada que interfira no favoritismo de esquerda de RC.

Do outro lado, por sua vez, a divisão é grande. Primeiro, Bruno Roberto (PL), candidato de Bolsonaro. Ele deve dividir parte do eleitorado com outro bolsonarista, Sérgio Queiroz (PRTB).

Nesse espectro, outra disputa com possibilidade real de “divisão” de votos. De um lado, o deputado federal Efraim Filho (UB) e do outro o também parlamentar federal, Aguinaldo Ribeiro (PP).

Veja também  PT faz reunião para definir vice de Veneziano na disputa ao governo

Ou seja, Ricardo tem um campo adversário dividido e isso está sendo levado em conta, inclusive pelos adversários.

É João e Ricardo 

Para completar, as pesquisas internas geram uma preocupação para a disputa. Muitos evitam falar e até pensar, mas tem eleitor do governador João Azevêdo (PSB) que vota em Ricardo e não está disposto a ir com Aguinaldo ou com outro nome mais à direita.

Por isso, a principal torcida é que Coutinho não consiga o aval pra ser candidato e seja, cada vez mais atingido pelas investigações da Calvário.

Opções 

Caso ele seja barrado pelo condenação do TSE, Luiz Couto (PT) assumiria a disputa, com Amanda Rodrigues, esposa de Ricardo, na suplência. É o que conjecturam por aí.

É acompanhar.