Conversa Política

Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Vereador de João Pessoa pede instalação de lombadas físicas no “Retão de Manaíra”

O requerimento foi apresentado na Câmara depois de um motorista matar motoboy a 163 km por hora, na avenida.

Na colisão, a moto de Kelton Marques ficou totalmente destruída. Foto: Reprodução/TV Cabo Branco
Motoboy morreu no local e moto ficou totalmente destruída em acidente no “Retão de Manaíra”. Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

O vereador de João Pessoa Emano Santos (PV) apresentou um requerimento na Câmara Municipal pedindo que a Secretaria de Infraestrutura da capital e Semob instalem lombadas físicas na avenida Flávio Ribeiro Coutinho, mais conhecida como ‘Retão de Manaíra’, onde um motorista matou um motoboy, na madrugada do último sábado.

O empresário Ruan Macário ultrapassou o sinal vermelho a 163 km/h e atingiu, violentamente, o motoboy Kelton Marques, de 33 anos, que passava pelo cruzamento com a rua Mirian Barreto. O motociclista morreu no local e o motorista está foragido.

Na justificativa, o vereador afirmou que a instalação de lombada física é de extrema necessidade para aquela localidade, uma vez que o fluxo de veículos é constante todos os dias. Segundo ele, nos cruzamentos, são frequentes os acidentes em decorrência do excesso de velocidade de alguns motoristas.

“Uma avenida extensa, que tem limitadores de velocidades (câmeras de monitoramento), porém não impedem nem limitam a velocidade excessiva no local, e com a instalação de lombadas físicas, essa velocidade diminuirá excessivamente no local, principalmente nas madrugadas onde vários motoristas excedem o limite de velocidade chegando até a 163 km, fato ocorrido último final de semana”, afirmou o vereador

Para ele, é uma forma de garantir os direitos básicos constituídos para a população, dando-lhes uma melhor qualidade de vida.

Veja também  Edital do concurso da Polícia Civil da Paraíba sai até próxima semana, confirma governador

O requerimento precisa passar por análise e votação no plenário da Casa e, se aprovado, será encaminhado ao Executivo, que pode ou não adotar a medida.