João Paulo Medeiros

Em alegações finais, MPF pede condenação de 4 ex-secretários e mais 17 investigados na Famintos

MPF aponta crimes de organização criminosa, fraudes em licitações e peculato – a depender dos investigados. Confira a lista

Foto: Ascom

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou ontem as alegações finais no processo que apura o envolvimento de servidores (e ex-servidores) em fraudes na merenda escolar de Campina Grande, na gestão passada. A ação faz parte da Operação Famintos, que apontou irregularidades e resultou na condenação, em 1º grau, de um vereador e mais 15 empresários.
No documento, o MPF pede a condenação do ex-secretário de Administração da prefeitura de Campina Grande, Paulo Roberto Diniz, e dos ex-secretários de Educação Rodolfo Gaudêncio, Iolanda Barbosa (Educação) e Verônica Bezerra (Educação); além de mais 17 investigados.
O MPF aponta supostos desvios na merenda superiores a R$ 11 milhões e coloca o ex-secretário Paulo Roberto Diniz como “líder” do suposto grupo.
“O denunciado Paulo Roberto Diniz de Oliveira, consciente e voluntariamente, exerceu a liderança do núcleo político da organização criminosa, desde 2013, atuando diretamente nos contatos com o líder do núcleo empresarial, Frederico de Brito Lira, em ação coordenada para dispensar indevidamente as licitações, frustrar-lhes o caráter competitivo e viabilizar o desvio dos recursos públicos em benefício das empresas da ORCRIM”, relata a procuradora da República Acácia Suassuna.

Veja também  Com quadro reduzido, cúpula do bolsonarismo tenta colocar paraibano na disputa em 2022

Nas alegações são apontados crimes de organização criminosa, fraude licitatória, peculato e corrupção passiva (para alguns investigados), a depender dos investigados. 

Confira a íntegra das alegações – Parte 1
Confira a íntegra das alegações – Parte 2
Confira a íntegra das alegações – Parte 3
Confira a íntegra das alegações – Parte 4
Durante as audiências de instrução, na 4ª Vara da Justiça Federal, os acusados negaram envolvimento com as irregularidades apontadas pelo MPF.
Não há previsão de quando o processo será julgado.

Confira abaixo a imputação pedida pelo MPF para cada um deles: