João Paulo Medeiros

Diretor da ALPB e sócio de empresa contratada por prefeituras fez doações para campanhas de Galdino

Doações foram feitas nas campanhas de 2016 e 2018

Presidente da ALPB, Adriano Galdino disputou eleições em 2016 e 2018. Foto: Ascom

Mantendo um bom grau de proximidade com o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino (PSB), o sócio da empresa Top Mídia Comunicação e diretor-geral da Assembleia Legislativa, o advogado Bruno Mouzinho Régis, tem feito doações para as campanhas eleitorais do presidente da ‘Casa’.
Em 2016, quando Galdino foi candidato à prefeitura de Campina Grande, Bruno doou R$ 10 mil para a campanha. Dois anos depois, quando o deputado concorreu à reeleição, mais R$ 8 mil foram doados.
As doações foram declaradas à Justiça Eleitoral e os dados são do TSE.

Foto: reprodução TSE
Foto: reprodução TSE

O nome de Bruno Régis veio à tona depois da operação da Polícia Federal na cidade de Gado Bravo e em Campina Grande, na última terça-feira (24).
O advogado é sócio da empresa Top Mídia Comunicação, alvo de um mandado de busca e apreensão cumprido pela PF.

A investigação apura abuso de poder econômico e uma suposta utilização de recursos públicos da prefeitura de Gado Bravo em campanha eleitoral, através de serviços de comunicação.

Bruno é diretor-geral da Assembleia desde 2015, com salário mensal médio de R$ 23,1 mil.
“Já doei dentro do limite legal, permitido pela lei. Conheço e sei da capacidade dele (Adriano Galdino). Sou advogado e também trabalho com direito eleitoral, então ele me convidou para ser diretor-geral da Assembleia. Não vejo nenhum problema nisso. É um cargo de confiança, tá dentro da lei, não há nenhuma irregularidade nessa questão”, explicou Bruno Régis.

Empresa recebeu mais de R$ 705 mil de prefeituras e câmaras

Além das doações de um de seus sócios, a empresa Top Mídia também tem participado de processos eleitorais no Estado. Ano passado a empresa trabalhou em 11 campanhas eleitorais, majoritárias e proporcionais, em municípios paraibanos. E recebeu R$ 115,5 mil pelos serviços.
Entre as campanhas está a que elegeu a mulher de Galdino, Eliane Galdino (Avante), prefeita da cidade de Pocinhos.

Veja também  Justiça arquiva inquérito que citava ex-deputado da Paraíba em ‘Caixa 2’ da Odebrecht

Foto: reprodução TSE

Na campanha de 2018 a Top Mídia recebeu R$ 139 mil, sendo R$ 105 mil do então candidato ao Governo, ex-senador José Maranhão (MDB); e R$ 34 mil do deputado Adriano Galdino, que foi reeleito para a Assembleia Legislativa.

Foto: reprodução TSE

Em 2016 a quantia foi bem menor: pouco mais de R$ 17 mil. Entre as campanhas realizadas está a de Eliane Galdino, à prefeitura de Pocinhos. Naquela oportunidade ela acabou não sendo eleita.

Foto: reprodução TSE

Os dados também estão disponíveis no TSE.
Já em contratos, firmados com prefeituras e câmaras municipais, os volumes são bem mais vultuosos. De 2015 até hoje, de acordo com o Sagres, do TCE, a empresa recebeu mais de R$ 705 mil de 12 prefeituras e 3 câmaras.
Prefeituras como a de Pocinhos, Areial, Itabaiana e Puxinanã mantém, atualmente, serviços de comunicação contratados com a empresa.

Foto: reprodução

 

Empresa diz que atua de forma técnica e impessoal

Ao blog, a empresa Top Mídia esclareceu que “o faturamento citado diz respeito a seis anos e todos os vínculos foram feitos com lisura através de processos licitatórios e da capacidade técnica da empresa”.
“Todos os serviços contratados foram executados e têm comprovação. A nossa agência produz vídeo, gerencia redes sociais, cria sites, além de oferecer um serviço de assessoria de imprensa completa”, explica a nota.
Ainda conforme a empresa, “fazemos campanhas eleitorais e se porventura o candidato for eleito e houver licitação, nós participamos do processo e em caso de vitória, passamos a prestar os serviços à gestão normalmente, através do estabelecimento do devido contrato”.