João Paulo Medeiros

Cunhado de Pedro Cunha Lima pede para deixar Sudene

Pedido de exoneração foi anunciado hoje

Foto: Adalberto Marques/MDR
Foto: Adalberto Marques/MDR

Desde março de 2020 no comando da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), o advogado paraibano Evaldo Cruz Neto anunciou hoje o seu pedido de demissão do cargo. A saída deverá ocorrer após o PSDB, que tem no Estado como presidente o deputado federal Pedro Cunha Lima (cunhado de Evaldo) ter oficializado estar na oposição ao Governo Jair Bolsonaro.

Mesmo Pedro tendo um discurso mais moderado, o clima parece ter ficado insustentável para a permanência de Evaldo à frente da Sudene.

O pedido de exoneração foi encaminhado desde 28 de julho deste ano.

Ele chegou ao cargo por indicação de Pedro Cunha Lima.

“Reposicionamos a Sudene em seu lugar de órgão de planejamento, com entregas efetivas e fomento a novos investimentos, essenciais à economia nordestina”, afirmou o paraibano, em nota.

Desde que assumiu a superintendência, o advogado contabiliza investimentos para a Paraíba, como a rede de transmissão de energia entre Campina Grande e João Pessoa – onde serão investidos R$ 360 milhões; a fábrica de painéis solares na capital, considerada a maior da América Latina, que conta com investimento do FNE e FNDE e tem Carta Consulta de R$ 30 milhões; a chegada da CAB Mortos à Campina Grande tem R$ 60 milhões aplicados pela Sudene, bem como a Fábrica de Móveis da Empresa K1, que conta com recursos do FDNE – Fundo de Desenvolvimento do Nordeste de R$ 80 milhões de reais.

Veja também  STF mantém lei das custas judiciais da Paraíba, mesmo com valores entre os mais altos do país