João Paulo Medeiros

TJ recebe denúncia e mais um prefeito paraibano vira réu por conta de lixão

No início do mês, gestor de Cuité também se tornou alvo de ação penal

Foto: Arquivo Jornal da Paraíba

O lixo e os desastres ambientais provenientes dele continuam dando dor de cabeça a prefeitos paraibanos. E não poderia ser diferente. Há anos o Ministério Público vem tentando acabar com os lixões na Paraíba, mas alguns parecem fazer ‘vista grossa’ para o problema.

Hoje o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) recebeu mais uma denúncia que relata a falta de solução dada pela prefeitura da cidade de Sumé, no Cariri do Estado, à problemática.

Com isso, o prefeito Éden Duarte se tornou réu e deverá explicar na Justiça o porquê de não ter colocado um ponto final no lixão da cidade.

Ele é o segundo gestor, somente este mês, a entrar na mira do MP. Semanas atrás o prefeito de Cuité, Charles Camaraense, também virou réu num processo semelhante.

No caso de Sumé, o lixão tem mais de 3,8 hectares e o gestor não assinou acordo de não persecução penal com o MP. De 2018 para cá, 170 gestores assinaram documentos nesse sentido.

Veja também  UFPB publica resolução que cria auxílio para estudantes de pós-graduação

O advogado de Éden, Newton Vita, explicou durante a sessão do Pleno do TJ que o gestor tem adotado medidas para melhorar a destinação dos resíduos sólidos na cidade, mas não teve jeito.

No fim da análise do processo ele adiantou que vai orientar o prefeito, agora, a assinar um acordo de não persecução com o Ministério Público.

A assinatura do acordo e o fim do lixão já deveriam ser uma realidade, aliás, há tempos.