Tosse persistente pós-Covid: pneumologista explica causas e quando procurar especialista

Pneumologista Bruno Braga explicou, no Bom Dia Paraíba desta terça (25), que quadro pode perdurar por até seis semanas.

Reprodução/Freepik (benzoix)

Um dos sintomas comuns pós-Covid-19 é a tosse persistente. Há casos em que o sintoma só aparece após a recuperação da doença. No Bom Dia Paraíba desta terça-feira (24), o pneumologista Bruno Braga explicou que esse quadro geralmente pode perdurar por até seis semanas e se trata de um mecanismo de defesa do organismo.

“A tosse é um mecanismo de defesa do organismo que libera secreção e partículas virais. A tosse persiste geralmente em até seis semanas, mas em alguns casos pode durar até meses”.

O pneumologista também afirma que esse tipo de tosse sempre existiu, mas está afetando a população com maior frequência, por causa da alta incidência de doenças respiratórias. O vírus também pode funcionar como gatilho em algumas doenças que estavam adormecidas, como explica Bruno Braga.

Veja também  Testes para a Covid-19 são realizados a partir desta segunda (15) em João Pessoa

Veja também: Ômicron e a pandemia dentro da pandemia: o que mudou?

“O vírus funciona como gatilho em algumas doenças que estavam adormecidas. Tipo, eu era asmático quando era criança, estava sem crise até agora, peguei a virose e voltou a minha asma. E a asma leve se manifesta como tosse seca”, relatou.

Nos casos em que a tosse persiste por mais de seis semanas, o pneumologista explica que é importante procurar um pneumologista ou otorrino, para fazer um exame de função pulmonar e analisar as vias aéreas superiores.