Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

João Pessoa alega menor taxa de ocupação de UTI do NE e “luta” contra restrições nos restaurantes e academias 

Por LAERTE CERQUEIRA e ANGÉLICA NUNES 

Foto: TV Cabo Branco/Reprodução/Arquivo

A prefeitura de João Pessoa está disposta a provar na Justiça e convencer a opinião pública que pode “bancar” bares e restaurantes abertos até 21h e academias funcionando de segunda a sexta, com todos os protocolos sanitários. Usa dados de ocupação de leitos para isso.

Ontem (05), o TJ derrubou trecho do decreto municipal e obrigou a gestão cumprir decreto do estado, que permite bares e restaurantes abertos somente até 16h. Na sexta, também perdeu na primeira instância, quando o juízo mandou fechar academias até o dia 18. 

Para convencer que está certa, a gestão municipal apresentou números de ocupação de leitos das capitais nordestinas e destacou que João Pessoa é a que tem a menor ocupação de UTIs na região.

“Quando se compara ao quadro de outras capitais nordestinas, a paraibana confirma o seu diferencial também no aspecto regional. João Pessoa, conforme os dados das secretarias estaduais de Saúde, tem a menor taxa de ocupação dos leitos de UTI – com 78%. As demais capitais estão acima dos 81%, atingindo 99% em Aracaju”, explica nota enviada pela Secom.

Segundo a nota, o prefeito Cícero Lucena (PP) tem afirmado que o caso de João Pessoa é diferente em relação às demais cidades paraibanas que apresentam bandeira laranja na avaliação do Governo do Estado. Isso, porque tem mais da metade dos leitos Covid-19 ocupados por pacientes de diversos outros municípios.

Argumento que não tem sido considerado, visto que, com essa mesma alegação, em março, o prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSDB), flexibilizou setores e também perdeu na Justiça. 

A prefeitura de João Pessoa alega que tenta construir uma alternativa com menos prejuízo para quem já sofreu muito, nos últimos meses, com perdas econômicas.

Veja também  Anvisa recebe pedido de uso emergencial de pílula oral contra Covid-19

“Quanto às medidas restritivas, a capital paraibana está junto a Maceió, Aracaju e Salvador com as atividades não essenciais e as praias fechadas aos fins de semana. Dessa forma, não está relaxando com os cuidados preventivos mas construindo uma saída menos penosa aos afetados por quase 1,5 ano de perdas, de vidas na forma mais trágica, e de meios do sustento da própria e de outras famílias que dependem de determinado negócio”, destacou.

Parceria político-administrativa

O Conversa Política registrou na sexta-feira (04) que a aliança entre o governador João Azevêdo (Cidadania) e o prefeito Cícero Lucena, no campo político-administrativo, não impediu que as divergências sobre as medidas restritivas, neste momento, fossem parar na Justiça. A procuradoria-geral de João Pessoa já entrou com recursos contra as decisões que favoreceram o estado.

Agora, é a aguardar para saber qual a extensão dessas diferenças de entendimento. As declarações de ambos, durante a semana, serão um termômetro.

Taxa de ocupação em UTI

Aracaju – UTI 99%
Maceió – UTI 90%
Salvador – UTI 82%
Fortaleza – UTI 88%
São Luís – UTI 96,06%
João Pessoa – UTI 78%
Recife – UTI 81%
Teresina – UTI 88%
Natal – UTI 89,4%

(Fonte: Secom/JP) 

Veja também:

>>>Otimista com mais 800 mil vacinas, governador da Paraíba espera decretos mais flexíveis a partir de julho