Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Queiroga perde o controle e “estira dedo” para manifestantes em Nova York; veja vídeo

O orgulho de integrar a comitiva, como principal auxiliar, responsável pela campanha de vacinação do maior país da América Latina, será ofuscado pela imagem que percorre o país.

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Agência Brasil.

Nem o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), pavio declaradamente curto, perdeu o controle como o ministro da Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga. Ontem (21), dentro de um micro-ônibus, junto com a comitiva brasileira, passou por manifestantes e, visivelmente irritado, levantou-se do banco, aproximou-se do vidro para ser visto, estirou o dedo médio e chacoalhou as mãos para os manifestantes, que protestavam contra o governo. Os manifestantes brasileiros também faziam gestos obscenos.

O consagrado médico paraibano, talvez contaminado pelo clima de autoritarismo do governo, não conseguiu conter os nervos. Atitude desnecessária, que não condiz com o comportamento do ministro de um país democrático, o principal ministro do momento. O pior, é como se Queiroga tomasse as dores do presidente, alvo principal das críticas, que são naturais em qualquer evento como esse.

Veja também  Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba “bate” metas do CNJ em 2021

O orgulho de integrar a comitiva, como principal auxiliar, responsável pela campanha de vacinação do maior país da América Latina, será ofuscado pela imagem que percorre o país e os jornais do mundo. Lamentável.

Nas entrevistas, o ministro já tem demonstrado irritação com perguntas mais críticas, mas já foi elogiado pela capacidade diplomática, mesmo escorregando e se esquivando de respostas diretas. Agora, será inevitável não lembrar desse momento intempestivo em qualquer outro rompante à frente das políticas públicas de saúde do Brasil.

O ministro agiu com a bílis (deve ter se arrependido), comprou mais uma briga para agradar o “chefe”,  e protagonizou um cena que não é digna de sua história. O Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, não precisava disso.

 

Veja vídeo publicado pelo Congresso em Foco: