João Paulo Medeiros

Contrato prevê até fogueira flutuante no Açude Velho, mas poucas ruas de Campina estão decoradas

Responsabilidade por contrato é da Secretaria de Desenvolvimento Econômico

São João de Campina Grande. Foto: Emanuel Tadeu
Mp diz que São João de CG deve cobrar passaporte da vacina músicas mais tocadas são joão
São João de Campina Grande. Foto: Emanuel Tadeu

A pouco mais de 24 horas para a abertura do Maior São João do Mundo, em Campina Grande, a cidade ainda engatinha em termos de decoração junina. A colocação da ornamentação, nas ruas, foi iniciada praticamente de ontem para hoje.

O contrato firmado entre a prefeitura e a empresa Medow Entretenimento, no valor de quase R$ 2,9 milhões, estabelecia a realização da festa no Parque do Povo e a ornamentação de várias ruas da cidade e dos Distritos com bandeirolas, balões e outros apetrechos juninos.

No Açude Velho, por exemplo, a ornamentação deveria ter uma fogueira flutuante em uma balsa, bandeirolas em postes e uma mangueira luminosa.

Mas, até agora, nada foi colocado.

A responsável pelo contrato é a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, comandada pela secretária Rosália Lucas. Ela é considerada indicação da família Ribeiro, que recentemente deu sinais de ruptura com a gestão municipal.

Meses atrás, inclusive, o prefeito Bruno Cunha Lima chegou a mencionar que exoneraria os indicados do grupo, citando textualmente a duas pastas: Desenvolvimento Econômico e Obras.

Veja também  Rede tem federação com PSOL, apoia João Azevêdo e ex-prefeito de Campina Grande com Pedro

Questionada pelo Blog, Rosália afirmou que já notificou a empresa sobre o andamento dos serviços e uma equipe fará um “checklist” no dia da abertura do evento. “Todos os anos nós fazemos isso, para identificar o que falta ser feito dentro do contrato”, assinalou.

Já a Medow, cuja relação com a gestão municipal ficou aparentemente estremecida após uma licitação para contratar uma nova empresa – meses atrás – culpa as chuvas pelo atraso.

Além disso, diz a assessoria da empresa, o tempo entre a assinatura do contrato (março) e a festa ficou apertado e, por conta disso, foi necessário priorizar a estrutura do Parque do Povo.

Nos bastidores, alguns auxiliares da gestão enxergam com desconfiança os argumentos. Reservadamente eles dizem que tem faltado mais ‘cobrança’ por parte da Pasta de Desenvolvimento Econômico. O atraso, eles suspeitam, pode ter um outro significado: o de boicote.