Operação ‘Festa no Terreiro’: Gaeco e Polícia Federal apuram pagamento de propina para obras de construção civil

Operação cumpriu 11 mandados de busca ontem e apreendeu mais de R$ 250 mil em espécie

Foto: divulgação/PF

Mais de R$ 250 mil em espécie apreendidos, oração para atrair riqueza descoberta e vários computadores e documentos coletados pelos investigadores. O material será analisado pela Polícia Federal e pelo Gaeco no âmbito da Operação ‘Festa no Terreiro’, deflagrada ontem na Paraíba.

Um dos objetivos dos investigadores é apurar um suposto esquema de pagamento de propina a agentes públicos.

Conforme apurou o Blog, construtoras que mantinham contratos com municípios localizados no Sertão tinham que pagar, através da realização de serviços particulares, para manter os contratos.

As obras e locais, especificamente, ainda não foram divulgados. O processo está sob sigilo.

Na avaliação dos investigadores, o volume de dinheiro apreendido é a confirmação de que algo muito estranho estava acontecendo…

A Operação ‘Festa no Terreiro’

Equipes da Polícia Federal cumpriram 11 mandados de busca foram expedidos pela Justiça. Dez deles em alvos na região de Patos, no Sertão, e um em João Pessoa.

Um dos mandados teve como alvo a prefeitura da cidade de São Mamede. Outro foi cumprido no apartamento do prefeito, Umberto Jefferson Morais.

A PF, juntamente com o Gaeco, apuram fraudes em licitações e desvios de recursos que teriam provocado um prejuízo estimado em R$ 8 milhões.

Parte do dinheiro apreendido, R$ 150 mil, estava em uma caixa trancada com cadeado. Outra parte guardada em uma maleta.

A operação é um desdobramento da ‘Bleeder’, que já havia cumprido ordens judiciais no mês passado nas duas cidades. No caso da ‘Bleeder’, a investigação apura desvios e superfaturamento em obras hídricas da Paraíba.