Prisão de ex-funcionários indica rota de fuga dos donos da Braiscompany

Ex-funcionários da Braiscompany tentavam ingressar em território argentino

Antônio Neto Ais e Fabrícia Ais, sócios da Braiscompany

A prisão de três ex-funcionários da Braiscompany, na última sexta-feira, pode indicar a rota de fuga feita pelos donos do empreendimento, Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Farias. A hipótese mais provável, já delineada aqui no Blog por investigadores, é que o casal tenha saído do país por uma fronteira física da América do Sul.

Não à toa, conforme a PF, Victor Hugo, Sabrina Mikaelly e Arthur Barbosa foram detidos perto da fronteira com a Argentina.

Os três tinham mandados de prisão em aberto desde o mês de maio e tinham tido os nomes inseridos na lista de procurados da Interpol.

Eles foram detidos pela Gendarmeria na aduana, quando tentavam entrar no território argentino, em momentos distintos.

Antônio Inácio e Fabrícia também estão com os nomes incluídos na lista da Interpol. Procurados pela Justiça desde fevereiro, dificilmente tentariam passar por portos ou aeroportos.

Provavelmente os dois podem estar acompanhando o desenrolar das investigações e das decisões judiciais de terras sul-americanas.

Prisão de ex-funcionários indica rota de fuga dos donos da Braiscompany
Bens ligados à investigados da Braiscompany vão passar por leilão – Divulgação/Braiscompany

A investigação na Braiscompany

A operação investiga uma movimentação financeira de R$ 2 bilhões feita pela Braiscompany em criptoativos. Dois mandados de prisão foram expedidos tendo como alvos o empresário, Antônio Neto, e a esposa dele, Fabrícia Farias Campos.

Na operação a Justiça Federal também determinou o bloqueio de bens e a suspensão parcial das atividades da empresa.

Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Campina Grande, João Pessoa e São Paulo.

braiscompany
Foto: divulgação/PF